Energia Solar no Brasil: Um panorama para [Você] entender tudo

f65ca4a87566f2ac1d30e301ea9666816a44ff94f42ab6e8ddpimgpsh_fullsize_distr
Energia Solar no Brasil: Um panorama para [Você] entender tudo
4.8 (96.49%) 74 votes

Até 2016, o setor de energia solar no Brasil possuía 7.691 sistemas fotovoltaicos instalados. As previsões do setor é que em 2020 o Brasil tenha aproximadamente 174 mil sistemas de energia solar (On Grid) instalados por todo território brasileiro.

Energia Solar no Brasil: o atual estado da energia fotovoltaica e suas principais vantagens

A Principal Vantagem da Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Residencial

O benefício da economia e redução de (possivelmente) quase todo o custo nas contas de energia elétrica é certamente a principal vantagem para todos os consumidores que adquirem um sistema de energia solar conectado à rede.

Os sistemas residenciais, hoje em dia, oferecem um retorno financeiro sob seu investimento muitas vezes acima de investimentos comuns na vida do brasileiro, como fundos de renda fixa, tesouro direto, e caderneta de poupança.

Com o custo crescente nas tarifas de energia e a queda de custo nos sistemas de energia solar no Brasil, o investimento para aquisição de um sistema residencial, por exemplo, se paga em média entre 4 a 6 anos, e dá ao seu proprietário uma economia durante cerca de 25 anos (pelo menos), sendo que essa economia pode durar por mais tempo – dependendo da vida útil do sistema.

Uma outra vantagem econômica tangível para o proprietário de um sistema solar fotovoltaico residencial, ou até mesmo comercial, é a valorização do imóvel de forma imediata após a instalação. Ou seja, a energia solar no Brasil, e no mundo, acaba influenciando na valorização dos imóveis

Uma vez que o sistema esteja instalado e funcionando, isso representa um valor adicional no imóvel, materializado pelo fato de que qualquer morador ou inquilino, mesmo que seja um locatário, poderá usufruir dos benefícios econômicos do sistema.

Existe uma pesquisa no jornal The New York Times que revela que um sistema residencial médio eleva o valor do imóvel em cerca de US$15.000 nos EUA. Essa valorização é próxima ou até mesmo superior ao valor de compra do sistema.

No caso, o sistema médio teria potência de 3,6kWp e para efeitos de comparação, o mesmo custa no Brasil algo em torno de R$29 mil reais.

Energia Solar Fotovoltaica: Indo além dos Benefícios Econômicos

Vantagens e Desvantagens da Energia Solar

Além dos benefícios econômicos como principal vantagem do sistema solar fotovoltaico conectado à rede, existem diversas outras vantagens, as quais irão variar de acordo com o perfil e expectativa do cliente.

Para  clientes com perfil mais comercial, por exemplo, o reconhecimento por uma ação de pioneirismo e a possibilidade de ações de marketing verde acerca do sistema solar e seus benefícios ambientais, aumentam ainda mais o apelo pela aquisição do sistema, tornando possível não só o retorno tangível como também o intangível.

Energias Renováveis: Solar x PetróleoÉ amplamente sabido que as fontes de energias renováveis substituem as fósseis e ajudam a combater um dos principais desafios da humanidade atualmente: as mudanças climáticas.

Muitas empresas e organizações carregam essa bandeira entre seus mais importantes valores e demonstram extrema convicção de que a implantação de um sistema solar é um passo importante nesse sentido.

Poder, Segurança e Estabilidade também fazem parte dos benefícios da Energia Fotovoltaica

Uma última, e não menos importante, vantagem da energia solar no Brasil para os consumidores de energia elétrica do país é o fato de que é possível proteger-se contra uma oscilação de custo da energia elétrica, que mantém a maioria dos consumidores expostos a aumentos repentinos nas suas respectivas contas.

Nesses últimos 3 anos, os aumentos não só tem sido frequentes mas também consideráveis, tendo em vista a crise energética de 2014 devido as secas, e a posterior desestruturação do setor elétrico a partir de aquisição de dívidas enormes por parte das distribuidoras.

Em um ambiente tão instável do ponto de vista de planejamento e risco, quem paga pelos aumentos de custo e necessidades de melhorias dos sistemas é o próprio consumidor de energia elétrica, que depende da distribuição de energia e não tem outra escolha se não consumir daquela fonte, daquela maneira e naquele preço.

A partir da instalação de um sistema de energia solar no Brasil conectado à rede, o proprietário do sistema ganha poder de escolha e trava o custo da tarifa de energia pois, a troca entre a energia consumida da rede e a gerada pelo sistema, é feita em igualdade de proporções, ou seja, sempre de 1 kWh por 1 kWh (quilowatt-hora).

Desse modo, ele consegue uma almejada estabilidade e previsibilidade no seu custo de energia elétrica, que será justamente a distribuição mensal do valor do investimento, ou até mesmo do financiamento do sistema, ao longo de sua vida útil, quando o mesmo entregar todos os benefícios prometidos.

A principal Desvantagem da Energia Solar

Talvez não necessariamente uma desvantagem, mas sim uma grande objeção para a compra da tecnologia, seria o fato de que ela se encontra inacessível para algumas camadas da população que não tem conhecimento sobre linhas de financiamento de baixo custo.

É muito comum ouvir que a instalação de sistemas de energia solar no Brasil é cara, quando ainda não se encontra formas de obtê-la. Isso ocasiona um certo descontentamento e frustração por parte daqueles que desejam não só economizar bastante dinheiro com a instalação de um sistema, mas também participar desse movimento de empoderamento e revolução energética.

Para todos que acompanham o movimento acerca das fontes renováveis e da energia solar e se encontram nessa situação, é preciso saber comparar e observar o trajeto de novas tecnologias em seus processos de amadurecimento e massificação, assim como foi o caso do automóvel, do computador e do telefone móvel, que em seus primórdios também pareciam ser artigos de luxo e hoje já são parte integrante da vida da maioria da população brasileira.

Normalmente, o crescimento de tecnologias com alto potencial de impacto social se da paulatinamente e de forma gradual, penetrando primeiro algumas camadas da sociedade, que abrem caminho para outras.

O Uso da Energia Solar no Brasil

Por conta das enormes vantagens para a maioria dos consumidores de energia elétrica no Brasil, principalmente os residenciais, a tecnologia fotovoltaica cresce a passos largos em nosso país.

Até o final de 2016, o setor solar, como um todo, instalou 7.691 sistemas de energia solar fotovoltaica e pretende, até o final de 2017, chegar ao número de 26.857 sistemas.

Energia Solar no Brasil: gráfico do crescimento de sistemas instalados no Brasil

Ainda, podemos ver todos esses dados de instalações já realizadas, Estado por Estado, estabelecendo quais deles já estão à frente da tecnologia.

Energia Solar no Brasil: número de sistemas instalados por estado brasileiro

Mais importante, porém, do que o número absoluto, é a tendência clara de um crescimento acelerado evidenciado no gráfico abaixo, segundo dados oficiais.

Se a projeção se concretizar, logo em 2020 o Brasil terá cerca de 174 mil sistemas fotovoltaicos conectados à rede instalados, representando cerca de 0,21% do total de unidades consumidoras brasileiras passíveis de se adquirir sistemas em geração distribuída. Já em 2024, a projeção é de 886 mil sistemas fotovoltaicos.

Seguindo nessa tendência, a ANEEL preparou um gráfico com base na projeção anterior, estimando a quantidade de sistemas fotovoltaicos que serão instalados em três modalidades de unidades consumidoras: residencial, comercial e outros (rural, industrial, iluminação pública, serviço público).

Do mesmo modo ao que temos hoje, a maioria dos sistemas serão instalados em unidades residenciais, cerca de 91% do total nacional contra somente 9% de sistemas comerciais em números absolutos.

Energia Solar no Brasil: projeção de sistemas a serem instalados no Brasil

Uma curiosidade sobre a energia solar é que, se levarmos em consideração a mesma projeção, mas agora em potência em MW, o cenário passa a ser diferente. É possível perceber que a distribuição passa a ser mais equilibrada entre os três grandes grupos, residencial, comercial e outros.

Isso significa que, os sistemas comerciais permanecerão em menor quantidade, mas o tamanho médio do sistema é superior ao residencial e ao comercial.

Os sistemas comerciais nesse caso ficam com cerca de 24% do total da potência instalada, e serão responsáveis por cerca de 784 MW de um total de 3,2 GW.

Energia Solar no Brasil: projeção por tipo de sistemas

Por isso, mesmo que a tecnologia tenha partido de algumas dezenas de sistemas fotovoltaicos em 2013 para milhares até agora, o setor de energia solar brasileiro, como um todo, tem mantido um passo de crescimento acima de 300% ao ano, desde 2014, e isso abre enormes possibilidades de geração de emprego, renda, criação de novas empresas e negócios, afim de sustentar essa possibilidade de crescimento contínuo.

Sistemas de Energia Solar Residencial x Sistemas de Energia Solar Comercial

A maioria dos novos proprietários de sistemas de energia solar são os consumidores de energia residencial, que normalmente são também os que pagam mais caro pela energia elétrica.

Hoje, cerca de 84% de todos os sistemas fotovoltaicos brasileiros instalados no Brasil são de sistemas residenciais, que ficam nos telhados das casas desses proprietários. No gráfico abaixo podemos ver a distribuição dos tamanhos médios de sistemas residenciais no Brasil.

Tamanho médio dos Sistemas Fotovoltaicos Residenciais no Brasil

Energia Solar no Brasil: tamanho dos sistemas residenciais no Brasil

Energia Solar no Brasil: Gráfico por tamanho de sistemas residenciais

No que diz respeito aos sistemas comerciais, estes representam os outros 16%, em um agregado de diferentes tipos de aplicação, seja industrial, comercial, rural, ou outras muitas, distribuídas em inúmeros segmentos e tipos de consumidores diferentes. Veja a distribuição dos tamanhos médios dos sistemas comerciais instalados pelo Brasil no gráfico abaixo.

Tamanho médio dos Sistemas Fotovoltaicos Comerciais no Brasil

Energia Solar no Brasil: tamanho dos sistemas comerciais no Brasil

Energia Solar no Brasil: Gráfico de tamanho de sistemas comerciais

Podemos observar que o tamanho médio dos sistemas é muito acima dos residenciais, o que faz com que exista mais oportunidade de ganho para o empreendedor solar, mesmo que o número absoluto de oportunidades seja menor.

Em termos de potência instalada, a  diferença de distribuição da energia solar entre residencial e comercial é bem menor, com pouco mais de 20 MW distribuídos em cada uma das categorias.

Análise da Energia Solar Detalhada por Estado Brasileiro

Energia Solar no Brasil: Ranking dos estados que mais investem na tecnologia

Mapa de Energia Solar Por Estados

A análise a seguir, detalha o momento de cada estado brasileiro em relação a adoção da energia solar. Colocamos não só o número absoluto de sistemas em cada território, mas também a divisão de sistemas por classificação (residencial, comercial, outros), participação % no total do Brasil, e número de empresas por estado.

Energia Solar no Brasil: Acre

Energia Solar no Brasil: Alagoas

Energia Solar no Brasil: Amapá

Energia Solar no Brasil: Amazonas

Energia Solar no Brasil: Bahia

Energia Solar no Brasil: Ceará

Energia Solar no Brasil: Distrito Federal

Energia Solar no Brasil: Espírito Santo

Energia Solar no Brasil: Goiás

Energia Solar no Brasil: Maranhão

Energia Solar no Brasil: Mato Grosso

Energia Solar no Brasil: Mato Grosso do Sul

Energia Solar no Brasil: Minas Gerais

Energia Solar no Brasil: Pará

Energia Solar no Brasil: Paraíba

Energia Solar no Brasil: Paraná

Energia Solar no Brasil: Pernambuco

Energia Solar no Brasil: Piauí

Energia Solar no Brasil: Rio de Janeiro

Energia Solar no Brasil: Rio Grande do Norte

Energia Solar no Brasil: Rio Grande do Sul

Energia Solar no Brasil: Rondônia

Energia Solar no Brasil: Roraima

Energia Solar no Brasil: Santa Catarina

Energia Solar no Brasil: São Paulo

Energia Solar no Brasil: Sergipe

Energia Solar no Brasil: Tocantins

A Energia Solar Fotovoltaica no Brasil: Uma Realidade Familiar

O caso clássico do cliente de energia solar Brasil, hoje, é o da família de média ou alta renda com um imóvel de valor considerável, que procura o sistema solar como forma de economizar em sua conta de energia.

No caso da família Murari, o que os moveu foi justamente isso. Localizados em Catanduva, no interior de São Paulo, o diretor de uma multi-nacional, Marcos Murari, adquiriu um sistema residencial de tamanho médio, cerca de 4,12 kWp, capaz de gerar uma economia mensal de cerca de R$310 reais.

O total do investimento foi cerca de R$33.000,00, pagos na medida com que o negócio foi fechado até a instalação do sistema.

Se levarmos em consideração uma inflação energética média anual de cerca de 7% ao ano, o retorno sob o investimento se daria em um período de 6 anos, com uma taxa interna de retorno, ou seja, o retorno médio ao longo dos 25 anos de vida útil do sistema, de 19,41%.

Como ele cita no vídeo acima, a economia veio exatamente dentro da expectativa, e criou possibilidades de outras transformações e benefícios que não haviam sido antecipados. O próprio envolvimento familiar no processo de aquisição do sistema solar fez com que a família ganhasse mais consciência em relação ao consumo, o que gerou uma economia extra de energia.

No mais, o processo todo também gerou um valor incalculável, que foi a união familiar sobre o assunto e da tecnologia solar, colocando os Murari em um seleto grupo de pioneiros e entusiastas dessa nova tecnologia em sua região.

Energia Solar x Carro Novo

O que atrai muito dos novos proprietários da energia solar no Brasil hoje, além do benefício econômico, é a própria possibilidade de inovação tecnológica.

No caso do dentista Rubens Serra, de Andradina, interior de São Paulo, bastou uma visita a países Europeus com ampla disseminação da tecnologia solar para que o mesmo se inspirasse e buscasse essa alternativa no Brasil.

Ao contrário da família Murari, o Dr. Rubens, como é conhecido em Andradina, sofreu com um certo ceticismo por parte de sua família, assumindo um risco pessoal e confiança na tecnologia, deixando de trocar o carro, para colocar um sistema em sua residência, capaz de gerar energia para sua casa e consultório.

Logo na chegada da primeira conta, com a economia de energia prometida, a família cedeu os pontos e o reconheceu pela ação e pela inteligência em optar pelo sistema solar. 

O investimento total feito pelo Dr. Rubens foi de cerca de R$36.000, em um sistema que traz quase R$5.000 reais de economia por ano. Ou seja, levando-se em consideração a inflação energética, é um sistema que se pagará em pouco mais de 6 anos e trará um retorno médio anual de quase 22%.

O cálculo econômico, a valorização dos seus respectivos imóveis, o reconhecimento e pioneirismo, no caso desses dois proprietários de sistemas solares, são evidências claras de que a tecnologia é confiável e muito atrativa.

Setor Fotovoltaico: Começando Cedo e Dando o Exemplo

Acredite: a tecnologia solar fotovoltaica pode ser ainda mais impactante na vida das pessoas. Da perspectiva educacional, principalmente para escolas, a iniciativa de instalação de um sistema de energia solar no Brasil significa inspirar pais, alunos e crianças a buscar soluções para nossos desafios ambientais e criar consciência acerca de assuntos sociais.

Para o empresário Edson Agusto e sua esposa, proprietários da escola Sol Nascente, além de todos os benefícios já citados, a tecnologia fotovoltaica, unida ao processo pedagógico, serve literalmente para educar as crianças e ensiná-las o caminho certo do que será necessário também para que elas mesmas criem um mundo mais sustentável.

Ações educacionais com a água e energia são um conteúdo vivo daquilo que chamamos de educação no colégio Sol Nascente. 

Para esse ramo e nicho de negócio, o maior valor e benefício está justamente em ser, e dar um exemplo, de uma escola que ensina sobre um futuro melhor, mas que vive também esse futuro onde todos podemos fazer a diferença, gerando uma energia limpa, econômica e sustentável. 

Energia Solar para Empresas: Um Exemplo com Sustentabilidade em Foco

Na empresa Integrativa, em Catanduva, a Sustentabilidade está inserida como valor a ser seguido e, no novo prédio da sede da empresa, foram inseridos diversos elementos que geram economia e preservação do meio-ambiente. O sistema de energia solar, como colocado pelo sócio Luciano Pereira, foi a cereja no bolo.

Os sócios pensam não só na economia a longo prazo, mas também na possibilidade de utilizar a energia elétrica de fonte solar para abastecer uma futura frota de veículos elétricos. Eles também utilizaram essa ação como possibilidade de diferencial e reconhecimento para os colaboradores e clientes.

O investimento total feito nesse sistema comercial foi de cerca de R$185.000,00, e o tamanho do sistema foi de 33 kWp, com um potencial de geração media mensal de 3.748 kWh.

No caso, se a tarifa referente ao consumo do cliente for de cerca de R$0,70 o kWh, o payback (tempo até o investimento voltar) desse sistema ficaria em 4 anos, com uma taxa interna de retorno de cerca de 29%, levando-se em conta uma inflação energética media de 7% ao ano.

Usinas de Energia Solar no Brasil

Para sistemas de maior porte existiram diversas ações de incentivo nos últimos anos e, quando analisamos o resumo dos sistemas de geração solar centralizados no site da ANEEL, é preciso compreender cada uma dessas ações, para compreender o mercado e o potencial desse segmento. (Acesse o Banco de Informação de Geração Solar)

Usina de Tauá

O grande pioneiro na construção de uma usina solar no Brasil, de geração centralizada conectada à rede, foi o empresário Eike Batista, que no ano de 2012 lançou a Usina Tauá no interior do Ceará através de sua empresa MPX. Posteriormente, esses ativos foram vendidos para um outro grupo, mas a Usina Tauá ficou conhecida como sendo a primeira usina em escala comercial construída no Brasil.

Eu tive a oportunidade de visitar essa usina e você pode conferir a gravação desse visita na íntegra através do vídeo abaixo.

Usina de Nova Olinda

A usina fotovoltaica de Nova Olinda, da italiana Enel Green Power, ainda em fase de construção na pequena cidade piauiense de Ribeira do Piauí, terá capacidade de suprir o consumo elétrico de 300 mil habitantes, com potência de 292 MW, que corresponde a 927 mil painéis solares (módulos fotovoltaicos), aproximadamente.

Essa usina ocupará uma área total de 690 hectares ou algo equivalente a 6,9 km². Dessa forma, a ocupação do solo será de 0,023 km² por MW de potência instalada, representando um dos maiores centros de geração fotovoltaico do Brasil.

Outros Projetos de Usinas Solares no Brasil

Alguns dos outros principais sistemas de maior porte instalados nos últimos anos no Brasil vieram de uma chamada pública, por parte da ANEEL, para projetos de pesquisa e desenvolvimento, e foram instalados pelas próprias distribuidoras de energia elétrica.

Os estádios da Copa do Mundo por exemplo, como o Mineirão e a Arena Recife, receberam sistemas das distribuidoras locais, que entraram em consórcios para realizar os investimentos, instalações e posterior venda de energia.

Energia solar no Brasil: Usina solar do estádio Mineirão
Estádio do Mineirão conta com uma usina solar em sua cobertura
Energia Solar no Brasil: Usina Solar do estádio Arena Recife
Usina solar do estádio Arena Recife

Existiu uma ação importante também por parte do estado de Pernambuco, que em 2014 realizou um leilão de energia estadual, garantindo a compra de energia proveniente da fonte solar para investidores que quisessem construir parques solares na região.

Por consequência dessa ação, a empresa estatal italiana, ENEL Greenpower, construiu duas unidades de 5 MW (megawatts) de potência, que são hoje as duas maiores plantas de energia solar do Brasil em funcionamento e já conectadas.

Energia Solar no Brasil: Usina solar em Pernambuco
Usina Solar instalada em Pernambuco pela ENEL

Leilões de Energia Solar da ENEL

A ação mais importante no campo da geração centralizada e de usinas solares no Brasil começou em 2014, quando tivemos os primeiros leilões específicos da fonte, realizados pelo MME (Ministério de Minas e Energia) e pela EPE (Empresa de Pesquisa Energética).

Esses leilões foram responsáveis pela contratação de mais de 3 GW (gigawatts) de potência solar, e que começarão a ser entregues em 2017. Para efeito de comparação, 3 GW representa 130 vezes mais do que os 23 MW atualmente instalados e em funcionamento no Brasil. De qualquer forma, nenhuma dessas usinas encontra-se pronta nesse momento.

Um Projeto Emblemático

Ministério de Minas e Energia

Um exemplo de engajamento do governo com a energia solar está no prédio do Ministério de Minas e Energia (MME), onde existe um sistema fotovoltaico com potência de 69 kW, que á a soma dos 154 painéis solares instalados na cobertura do edifício.

Esse sistema, em um dia ensolarado, chega a produzir energia elétrica capaz de suprir de 5% a 7% do consumo elétrico do Ministério, o que equivale ao abastecimento de 23 residências de uma família média brasileira (3 a 4 pessoas, consumindo 300 kWh/mês).

Energia Solar no Brasil: Sistema Instalado no Ministério de Minas e Energia

Para o MME, o impacto financeiro decorrente do sistema fotovoltaico é irrisório, no entanto, a energia elétrica gerada pelo sistema solar fotovoltaico no prédio evitará a emissão de 6,4 toneladas de CO2 por ano, na atmosfera.

Considerando-se a vida útil do sistema, um total de 161 toneladas de gás carbônico deixarão de ser emitidas. Isso equivale a uma área de floresta de 3.000 m² (Considerando a média do fator de emissão de CO2 do grid nacional de janeiro a setembro de 2016), segundo publicação do próprio Ministério.

Além disso, a geração de energia solar, limpa e renovável, é importante para o país atingir suas metas assumidas na COP 21. No acordo assinado no final de 2015, o país se comprometeu a expandir o uso doméstico de energia gerada por fontes renováveis, além da energia hídrica, para ao menos 23% da matriz elétrica, até 2030.

Geração de Empregos pela Energia Solar no Brasil

O potencial para empreendedores e investidores de energia solar no Brasil é enorme, tendo em vista que os leilões de grandes usinas solares devem continuar e, a partir desse ano, as construções e entregas de grandes parques geradores começam de fato a se materializar.

Na geração distribuída, que é caracterizada pelos sistemas residenciais e comerciais que mostramos no começo desse artigo, o crescimento deve se manter muito alto, conforme vem acontecendo desde 2014.

Esses segmentos, inclusive, só poderão ser atendidos por uma rede regional e pulverizada de pequenos empreendedores e instaladores, responsáveis por realizar o atendimento, a instalação e o relacionamento local para os consumidores de casas e empresas.

Por conta desses sinais maravilhosos e muito estimulantes vindos do mercado de energia solar, o Greenpeace publicou um artigo no ano de 2016 fazendo algumas previsões em diferentes cenários com uma medida de potencial de geração de emprego a partir do setor solar fotovoltaico brasileiro.

Em um cenário onde tudo continua como esta hoje, sem grandes alterações ou incentivos para a fonte solar, seria possível gerar, de acordo com o relatório, algo em torno de 689.761 vagas de emprego entre 2015 e 2030. Lembre-se que estamos partindo de algumas poucas centenas, talvez milhares de técnicos, instaladores, e empreendedores dessa área hoje.

Caso o cenário seja muito positivo, com mudanças e incentivos à fonte solar, principalmente na frente de geração distribuída, seria possível projetar, até 2030, a geração de cerca de 3.919.114 frentes de trabalho, com um número total de sistemas espalhados pelo país acima de 8 milhões, e mais de 561 bilhões de reais de valor adicionado a economia.

Energia Solar no Brasil: O que Precisa Melhorar

Para que um cenário tão otimista se consolide, é necessário que algumas mudanças e incentivos ocorram em nosso país.

FGTS para Aquisição de Sistemas Solares

Atualmente, isso não é possível porque o saque do benefício só é autorizado em algumas situações específicas, como catástrofes naturais, enfrentamento de determinadas doenças e aquisição do primeiro imóvel residencial. Existem alguns projetos de lei em vista para serem analisados e potencialmente incluir esse benefício no médio prazo.

ICMS sob Geração Excedente Cai em Todos os Estados

Em abril de 2015, o Convênio ICMS 16 do Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ) abriu a possibilidade dos estados isentarem a tributação do ICMS na eletricidade gerada pelo sistema fotovoltaico e injetada na rede de distribuição. Essa medida permitiu diminuir o valor da conta de luz nas residências com placas solares. A participação de cada estado é voluntária e deve ser manifestada de forma independente.

A boa notícia é que a grande maioria dos estados já aderiu a essa decisão do CONFAZ, com exceção dos estados do Amazonas, Espírito Santo, Paraná e Santa Catarina. 

O mapa abaixo ilustra quais são os Estados participantes do convênio:

Energia Solar no Brasil: Mapa dos Estado com isenção de ICMS sobre energia gerada

Menos Tributos para os Sistemas Fotovoltaicos

Isenção Tributária

Para contribuir ainda mais com a economia de energia, todos aqueles que possuem um sistema de geração distribuída, como o fotovoltaico conectado à rede, tem direito à isenção dos encargos de PIS e COFINS sobre a energia compensada na conta de luz, por decorrência da lei federal nº 13.169, de 06 de outubro de 2015.

Em alguns componentes também, como os inversores de frequência e outros, seria interessante pensar na isenção do IPI e ICMS para que a cadeia seja incentivada e o potencial de geração de empregos seja ainda maior.

As Primeiras Histórias de Sucesso

Independente do que o futuro guarda, a realidade é que a revolução da energia solar já começou. Mesmo em um cenário onde tudo se mantenha como está, teremos centenas de milhares de novos instaladores, projetistas, e empreendedores solares levando a tecnologia a milhões de consumidores em potencial.

E alguns desses casos de sucesso já começaram a surgir, espalhados por todo o Brasil. A história do Anderson Corrêa, de Andradina, é uma delas. Com formação técnica e experiência em outras áreas e segmentos, Anderson decidiu não seguir o caminho óbvio, e escolheu ser um pioneiro em sua região.

Após muito esforço e um incansável processo de educação e difusão da tecnologia, Anderson começou a fechar os primeiros negócios e hoje já conta com uma excelente carteira de clientes crescendo a cada dia, e prestando serviços também a outros integradores de energia solar pelo Brasil. 

No caso do Didi de Dracena, ele se focou mais no processo de instalação, por conta de sua experiência prévia como eletricista. Hoje, ele também viaja por toda a região prestando serviços de instalação em dezenas de projetos, e ainda mais, provando que a tecnologia é acessível mesmo para aqueles com um nível mais básico de formação. O que importa nesse caso é o entusiasmo e a vontade de levar a tecnologia adiante e se superar a cada dia.

Mas não são só as pessoas com formação ou experiência técnica que podem começar um negócio ou uma atividade nesse setor. No caso do empresário Silvano Frutuoso, de Rondônia, a oportunidade da energia solar foi uma forma de expandir e diversificar seus negócios, levando-a adiante e fechando negócios maiores e mais consistentes. Silvano teve também, ao longo do seu processo de capacitação e treinamento, a oportunidade de se unir a um engenheiro eletricista e consolidar uma sociedade de sucesso, cujo os frutos já estão aí.

O projeto abaixo foi recentemente concluído pela empresa de Silvano e eles tiveram a oportunidade de gravar um excelente depoimento do seu cliente regional, a SICOOB, com um maravilhoso sistema instalado no telhado e inaugurado no final de 2016.

2 Grandes Desafios (Na Minha Opinião) da Energia Solar no Brasil

O maior desafio a ser levado a cabo por esses empreendedores, instaladores, projetistas e todos os envolvidos na cadeia de valor solar fotovoltaica brasileira é, sem dúvida nenhuma, a disseminação e educação acerca da tecnologia solar.

A falta de conhecimento dos Brasileiros em relação à tecnologia e seus benefícios é considera, por mim hoje, o nosso maior desafio e também nosso maior concorrente, e o que de fato atrasa o avanço e instalação de milhares de sistemas por todo o Brasil.

O segundo maior desafio, considero eu, é levar mais possibilidades de financiamento de baixo custo, sendo que foi indicado recentemente, em pesquisa do Datafolha, que mais de 70% da população analisada teria interesse em adquirir um sistema solar, caso o mesmo pudesse ser financiado com juros baixos.

Isso também só depende de novos empreendedores e investidores dispostos a inovar em seus modelos de negócios, estendendo os prazos de financiamento, avaliando melhor os baixos riscos associados aos sistemas solares, e compreendendo a dinâmica de alto crescimento do setor.

Por isso, sempre que posso, convido a todos a analisarem essa excelente oportunidade de negócios e de largada em novo horizonte, carregado de benefícios e principalmente de propósito por parte daqueles que querem empoderar os consumidores de energia elétrica, levando adiante uma nova forma de se consumir energia limpa, renovável, e possivelmente acessível a milhões de brasileiros.

9d85a76e6b32319f600774e132306654ba08f95eaaffad1feapimgpsh_fullsize_distr


Sócio Diretor – Blue Sol Energia Solar

Recomendamos para Você: