Energia Solar Impulsiona Geração Distribuída no Estado de São Paulo

geracao-distribuida-avanca-com-energia-solar-no-estado-de-sao-paulo
Energia Solar Impulsiona Geração Distribuída no Estado de São Paulo
7.5 (150%) 2 votes

A geração distribuída (GD) de energia elétrica, modalidade criada pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) através de sua Resolução Normativa Nº 482, de 2012, é aquela em que a geração é feita próxima ou no próprio local de consumo.

Ou seja, são os sistemas geradores instalados nas casas e empresas do país e que, em relação a energia solar, representam os sistemas fotovoltaicos, sendo, entre as fontes incentivadas, a que mais se espalha pelo Brasil, e também no mundo.

Desde que foi criada, a resolução permitiu aos consumidores instalarem os seus sistemas geradores e conectá-los a rede elétrica, fazendo a troca da energia com a mesma e sendo compensados por toda energia gerada e injetada na rede.

Essa modalidade, que já ocorre em outros países, apresenta enormes benefícios não só para os consumidores, que ganham segurança no fornecimento de sua energia e economia na conta de luz, mas também para o próprio setor elétrico, que tem os gastos e perdas com linhas de transmissão reduzidos, além da diversificação de sua matriz energética através de fontes limpas e que reduzem a emissão de gases poluentes.

No panorama da geração distribuída, hoje, segundo dados da ANEEL, já são mais 12 mil consumidores que geram a sua própria energia e, destes, 99% usam a energia solar como fonte geradora. Podemos dizer, então, que o panorama da GD é na verdade o panorama da Energia Solar no Brasil.

Entre os Estados com maior número de sistemas fotovoltaicos instalados, São Paulo ocupa, atualmente, a segunda posição, com 2.507 unidades geradoras, perdendo apenas para Minas Gerais, com 2.648.

Essa diferença, no entanto, vem se estreitando rápido, com São Paulo registrando 1.105 conexões no primeiro semestre deste ano, ao contrário do atual líder, que teve 988 novas conexões. Ao que tudo indica, em breve o Estado paulista deverá ocupar a posição de liderança.

Solar Energizando São Paulo

Esse crescimento da energia solar em São Paulo pode ser constatado no resultado do relatório da Fundação Seade,  intitulado “Pesquisa de Investimentos Anunciados no Estado de São Paulo”,  que compila os anúncios de investimentos feitos em 2016.

Segundo o relatório, a quantidade de recursos financeiros destinados a empreendimentos de energia solar no Estado naquele ano, em especial no segmento de geração distribuída, foi grande. E, de acordo com os anúncios captados no início de 2017, a tendência continua.

Os projetos de energia solar apontados como destaque no relatório foram a instalação de sistemas fotovoltaicos em 200 casas da cidade de Campinas; a implantação do Data Center da Algar Tech e do Hospital Cento Infantil Boldrini; e a instalação de uma usina fotovoltaica no campus universitário da Fundação Paulista de Tecnologia e Educação, em Lins, todas realizadas pela distribuidora CPFL Energia.

Além destes, também ganhou destaque a instalação feita pela Enel na sede da empresa Mercado Livre, em Osasco, a qual conta com 2 mil módulos fotovoltaicos, que geram 700 megawatts-hora ao ano e constituem a maior usina solar em telhado do Brasil.

A instalação de montadoras de placas solares em Campinas, Valinhos e em Sorocaba, assim como uma fábrica de inversores, também em Sorocaba, foram destacados como os investimentos em cadeia produtiva feitos no Estado. 

Campinas é a cidade do Estado com maior número de sistemas instalados, com 471 conexões, ou 16,7% do total estadual, seguida por São Paulo, com 195; São José do Rio Preto, com 86; Ribeirão Preto, com 62; Moji-Mirim, com 55; Bauru, com 50; Indaiatuba, com 49; Sorocaba, com 46 e Valinhos, com 40, além de outros 263 municípios.

Já entre as distribuidoras de energia que atendem o Estado, a CPFL Paulista abocanha a maior parte das instalações, com 46,4% do total, ou 1.158 conexões, seguida pela Elektro, com 436 conexões; AES Eletropaulo, com 286 conexões e CPFL Piratininga, com 257 conexões. 

Seguindo a tendência do país, em São Paulo são os consumidores residenciais que mais investem na geração própria de energia, com 1.987 deles, representando uma potência de 7.678,3 KW.

Crescimento Através da Solar

Todos esses investimentos são o reflexo de um crescimento do setor solar que ocorre no Estado, assim como no resto do país, e que representam ótimas oportunidades de negócios, emprego e renda para quem aposta nesse mercado.

Muitas empresas da cadeia produtiva já operam em São Paulo, entre montadoras de painéis solares, inversores e outros componentes do kit de geração solar, como estruturas de suporte das placas fotovoltaicas, cabos, trackers (rastreadores que acompanham o movimento do sol) e medidores bidirecionais de carga elétrica. 

Várias empresas que fornecem os serviços de projetos, instalação e manutenção dos sistemas fotovoltaicos também se espalham pelo Estado e os cursos de capacitação são oferecidos por elas e escolas técnicas.

Rede de franquias e Startups também começam a aparecer nesse mercado e a revolução que a energia solar vem trazendo ao setor elétrico, assim como novas tecnologias, irá abrir novos mercados e atrair novos tipos de empresas.

Além das casas, o potencial da energia solar é amplo e pode expandir e beneficiar também galpões, armazéns, estabelecimentos industriais, comerciais e na agricultura.

Com os custos da tecnologia caindo gradativamente ao longo dos anos e as várias facilidades já oferecidas para aqueles consumidores que desejam investir em sistemas solares geradores, como linhas de crédito e sistema de consórcio, a expansão da tecnologia no Estado tem tudo para continuar subindo.

Fonte de informação: Governo do Estado de São Paulo – Secretaria de Energia e Mineração – Site

Analista de Marketing
Redator e Tradutor

Recomendamos para Você: