Maior Miniusina Solar em Parque Público é Inaugurada em São Paulo

7e7c0a5f6b6455311d1bf35f06a1f2209e71a40ede9ee2f1f2pimgpsh_fullsize_distr-752x440
Maior Miniusina Solar em Parque Público é Inaugurada em São Paulo
7 (140%) 1 vote

Um grande passo para a sustentabilidade e eficiência energética foi dado pelo Governo do Estado de São Paulo na última sexta, dia 26 de maio de 2017, quando o governador Geraldo Alckmin inaugurou a usina de minigeração distribuída que irá abastecer os parques Villa-Lobos e Cândido Portinari, localizados na zona oeste da capital.

Os parques já estavam contando com a energia limpa desde o começo do mês, porém, agora que a obra foi oficializada, a qual foi idealizada pela Secretaria de Energia e Mineração e realizada pela CESP (Companhia Energética de São Paulo) com o apoio da Secretaria do Meio Ambiente, além de empresas privadas.

Ao custo total de R$17 milhões, a obra de uso da energia solar é um projeto de pesquisa e desenvolvimento (P&D) da CESP, em parceria com a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) e vinculada através do MME (Ministério de Minas e Energia).

A maior parte dessa verba foi destinada a construção da principal atração do projeto, uma microgeradora solar com 2.095 módulos fotovoltaicos, instalados sobre as vagas do bolsão do estacionamento do parque Cândido Portinari, totalizando 3.400 m² e 531 kWp (quilowatts-pico) de potência a ser gerada pela luz do sol.

Além dessa, também foram instaladas uma estação solarimétrica, uma microcentral de 9 kWp e ainda 40 postes com painéis solares. Com capacidade de geração anual total de 665 MWh (Megawatt-hora), o projeto irá atender cerca de 70% do consumo mensal dos dois parques, sendo a geração destinada para as áreas de esporte, estacionamento e lanchonetes do parque.

Com um consumo mensal de 55 MWh, os parques geram um gasto anual para o governo na ordem de R$390 mil, dos quais R$270 mil serão economizados agora com a miniusina solar.

Para abastecer o restante da energia consumida e ainda garantir o fornecimento nos dias de menor luminosidade, os parques ainda continuarão conectados à rede da AES Eletropaulo.

Com o uso da energia solar integrado ao ambiente público, o projeto, que servirá como plataforma de estudos dos aspectos técnicos, regulatórios, econômicos e comerciais da energia solar, além de coleta de dados para pesquisas acadêmicas, também servirá como forma de disseminar o uso da tecnologia fotovoltaica entre os visitantes do parque.

A CESP, que conta com outros projetos pioneiros no uso da energia solar, como a usina flutuante instalada na cidade de Rosana, interior de São Paulo, irá administrar o miniusina dos parques até o mês de novembro de 2017, após essa data encerra-se a parceria de P&D com a ANEEL, e então o projeto ficará aos cuidados da Secretaria do Meio Ambiente, órgão responsável pelos parques.

Analista de Marketing
Redator e Tradutor

Recomendamos para Você: