Governo do Brasil Estuda 1º Projeto Industrial Integrado de Placas Solares

governo-do-brasil-estuda-1o-projeto-industrial-integrado-de-placas-solares
Governo do Brasil Estuda 1º Projeto Industrial Integrado de Placas Solares
7.5 (150%) 2 votes

O ministro das Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, se reuniu ontem, dia 16 de janeiro, com os representantes de um consórcio que planeja construir o que seria o primeiro projeto industrial integrado de módulos fotovoltaicos do Brasil e da América Latina.

De acordo com um comunicado de imprensa dos desenvolvedores do projeto, a empresa de energia brasileira-paraguaia Itaipu e a Federação das Indústrias do Estado do Paraná – Fiep, o estudo de viabilidade foi realizado em 2015 pelos institutos alemães de pesquisa Fraunhofer IPA, Fraunhofer ISE, ZSW e a de consultoria independente, Viridis-iq.

Segundo as informações divulgadas, a fábrica teria uma capacidade de produção anual de 1,72 GW com a produção de cerca de 6.800.000 módulos solares de 250 Wp cada.

O projeto, chamado Green Silicon, também está sendo planejado com o apoio da associação industrial alemã, Solar Cluster Baden-Württemberg, com sede em Estugarda, desde 2013.

As atividades de fabricação abrangem toda a cadeia de valor, desde a produção de silício até a fabricação de módulos solares e seria construído, em parte, próximo da usina hidrelétrica de Itaipu, que possui a maior produção de energia anual do mundo e está localizada no estado do Paraná, perto da fronteira com o Paraguai.

Conforme o comunicado de imprensa, “Durante a fase completa de operação do projeto Green Silicon, a expectativa é criar 4.310 empregos diretos, gerando receita no valor de 54,8 milhões de euros e valor agregado de 113,4 milhões de euros por ano. Os governos do Brasil e do Paraguai ainda podem se beneficiar das receitas fiscais “.

Na primeira fase do projeto, Itaipú e Fiep estabelecerão a produção de lingotes e wafers em um local ainda indefinido no Paraguai. O polissilício para a fábrica, segundo as duas entidades, será importado de fabricantes internacionais não divulgados.

A segunda parte do projeto prevê a criação da produção de células e módulos no Brasil e, eventualmente, no Paraguai.

Texto original: PV Magazine – Site

Analista de Marketing
Redator e Tradutor

Recomendamos para Você: