Solar e Outras Renováveis Podem Iluminar Regiões Com Falta de Energia

microgrid
Solar e Outras Renováveis Podem Iluminar Regiões Com Falta de Energia
10 (200%) 1 vote

Desde que foi aprovada a Resolução Normativa Nº482 da ANEEL, em 2012, e a criação do chamado segmento de geração distribuída, tornou-se possível ao consumidor instalar um sistema gerador elétrico em sua casa ou empresa e conectá-lo a rede da distribuidora local.

Dessa forma, toda energia gerada em excesso é injetada na rede elétrica e o consumidor é compensado com créditos que são abatidos do que consumiu da rede. Hoje, já são mais de 11 mil brasileiros que integram esse segmento e geram sua energia através das fontes renováveis incentivadas, como a Solar.

Imagine, agora, uma rede desses consumidores gerando essa energia e a injetando na rede, energia essa que, além de limpa, pode ser compartilhada e consumida por outros consumidores.

No entanto, devido a condição intermitente da geração dessas fontes, pois quando o sol não está brilhando ou os ventos não sopram, não existe geração, criar uma rede de distribuição unificada e diversificada com essas e outras fontes se faz necessária para que não haja momentos sem geração de energia.

Pois é esse o conceito de um microgrid, um sistema de gestão inteligente de energia que pode resolver a falta de acesso à energia elétrica, um problema enfrentado por 1 milhão de residências no Brasil, segundo levantamento da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Localizadas na maior parte nas regiões Norte e Nordeste, essa parte da população, por estarem afastadas e aglomeradas em pequenos povoados, não se tornam economicamente atrativas para receberem investimentos em linhas de transmissão, não tendo, dessa forma, acesso à energia gerada nas grandes usinas hidrelétricas ou termelétricas.

Com isso, através do segmento de geração distribuída, e com a energia sendo produzida próxima, ou até mesmo no próprio local de consumo, torna-se possível, através do compartilhamento dessa energia produzida e injetada na rede, alimentar essa parte da população sem eletricidade.

Utilizando softwares sofisticados, o microgrid pode controlar toda a energia produzida por essa rede de geradores e coordenar as fontes, buscando aquela que mais está gerando no momento para evitar variações na tensão e quedas de energia.

Quem explica isso é o José Roberto Soares, professor de engenharia elétrica da Universidade Presbiteriana Mackenzie. “Imagine uma rede com equipamentos geradores de energia solar, eólica e de combustão de óleo diesel. De qual fonte as máquinas vão buscar energia? O microgrid examina qual está mais estável, dá preferência às fontes renováveis e faz o fornecimento final com qualidade para o consumidor. Se um hospital está em uma região isolada, não dá para depender apenas de energia eólica ou solar. Se não tem sol, usa-se o vento. Caso não haja vento, opta-se pelo diesel.”

Dessa forma, a rede prioriza as fontes limpas e evita o uso daquelas poluentes, que entram em jogo somente quando realmente necessárias. Com isso, ganha o meio ambiente mais sustentabilidade e o consumidor, que se torna mais independente e com acesso à energia de melhor qualidade.

Esses sistemas têm se espalhado pelo país e ganham espaço entre indústrias, grandes empresas, bases militares ou estabelecimentos com necessidade elétrica crítica, como data centers, que precisam de um suprimento de energia contínuo e sem oscilações. Porém, com os incentivos oferecidos para quem gera sua própria energia, os próprios consumidores são os que mais apostam nesse segmento.

No Estado do Acre, após a resolução 482, o número de consumidores que instalam sistemas geradores vem se espalhando, de acordo com André Domingos Klein, gerente do departamento de medição da Eletrobras Distribuição Acre.

“A procura por empresas de engenharia para instalar projetos de energia sustentável tem crescido, e nós da concessionária sentimos um aumento na demanda por informações. Quando o consumidor gera mais energia do que consome, o microgrid faz com que o excedente seja inserido na rede da concessionária. Essa energia será usada por outras pessoas, e o consumidor que a produziu recebe um desconto nas próximas contas de luz.”

 

Fonte de Informação: Exame – Site

Analista de Marketing
Redator e Tradutor

Recomendamos para Você: