Usinas de Energia Solar no Brasil: Um Panorama Geral

Usinas de Energia Solar no Brasil Irão Atingir Primeiro Gigawatt em 2017
Usinas de Energia Solar no Brasil: Um Panorama Geral
6 (120%) 5 votes

Embora a energia solar esteja crescendo mais rapidamente em nosso país através dos sistemas instalados diretamente nas casas e empresas dos consumidores, o segmento de geração centralizada também vem avançando a passos largos, com um número cada vez maior de instalações de usinas de energia solar no Brasil.

Quando falamos em usinas solares, estamos falando daqueles projetos gigantescos, de milhares de quilômetros quadrados de extensão e que fazem uso de até milhões de módulos fotovoltaicos para gerarem gigawatts de potência de energia solar.

Em nosso país, onde o potencial da fonte solar é imenso, não utilizar essa fonte limpa e renovável para suprir a demanda da população seria algo sem sentido, e exatamente por isso que o governo vem investindo em usinas de energia solar no Brasil como forma de diversificar a nossa matriz energética.

Ainda amplamente dependente da fonte hídrica que, como sabemos, vem decaindo sua produção devido aos baixos volumes pluviais que não conseguem abastecer os reservatórios das hidrelétricas, essa diversificação do parque gerador brasileiro não é apenas algo lógico, mas também crucial para podermos suprir o crescente consumo da nação.

Usina de Energia Solar: Como Funciona?

As usinas solares fotovoltaicas operam de forma semelhante ao funcionamento dos sistemas de energia solar fotovoltaica residencial, porém em uma escala bem maior, pois são projetadas para a produção e venda de grande volume de energia em alta tensão.

Nessas usinas, que são o único tipo de usina sendo instalado de forma comercial no Brasil (existem também as usinas solares Heliotérmicas), milhares, senão milhões, de painéis fotovoltaicos captam a luz do sol e a convertem em energia elétrica através do processo eletroquímico chamado efeito fotovoltaico. 

Os painéis são montados no solo, podendo ser fixados em terra ou então sobre estruturas chamadas de sistemas Solar-Tracker, que são dispositivos que direcionam o painel conforme a posição do sol, de forma a deixá-lo sempre no melhor ângulo para captação da luz.

Embora isso aumente consideravelmente a eficiência de geração do módulo, esses dispositivos também encarecem o custo final da usina.

Essa energia, que é gerada em Corrente Contínua (CC), é então enviada aos inversores fotovoltaicos, que a convertem em Corrente Alternada (CA), que é o tipo de energia que consumimos em nossos estabelecimentos.

Até esse ponto não existe diferença para os sistemas residenciais, no entanto, como essa energia será enviada aos pontos de consumo através das linhas de alta tensão, ela precisa passar antes pelos transformadores, que irão elevar sua tensão, que vem dos inversores em até 380 volts, para tensões que vão de 13.800 volts até 230.000 volts.  

Usina Solar: Vantagens e Desvantagens

As principais vantagens das usinas solares referem-se mais ao uso da energia limpa do sol, quando comparada as usinas que utilizam fontes poluentes, ou até mesmo as hidrelétricas, que apesar de usar uma fonte limpa, acabam gerando um impacto ambiental muito grande onde são instaladas.

O potencial da fonte solar no Brasil, como já falamos, é muito grande. Como exemplo, se cobríssemos uma área do tamanho do reservatório da usina hidrelétrica de sobradinho com módulos fotovoltaicos, a produção seria suficiente para suprir o consumo elétrico do país inteiro.

Por esse motivo, apostar em usinas de energia solar no Brasil que, apesar de possuírem alto custo inicial, podem ser instaladas nas mais diversas regiões, possuem custo de manutenção ínfimo e longa vida útil, é uma alternativa altamente vantajosa e sustentável para o país suprir a sua demanda de consumo.

Quantas Usinas Solares Existem no Brasil?

De acordo com o Banco de Informações de Geração da agência, o BIG, atualmente existem 44 usinas solares em operação no Brasil, as quais somam 23.761 kW (quilowatts) de potência fiscalizada.

Esse valor ainda é irrisório no total da matriz elétrica do país, contabilizando por apenas 0,02%. Dentre os estados com maior número de projetos em operação, Amazonas vem disparado, com 14 usinas. São Paulo vem em segundo, com 6 e Minas Gerais em terceiro, com 4.

Esse cenário relativamente escasso de usinas de energia solar no Brasil, no entanto, está com os dias contados. De acordo com o mesmo banco de dados da ANEEL, existem mais 37 usinas solares já em construção no país, e adicionais 74 projetos já contratados, porém que ainda não saíram do papel.

Investimentos como esse já são esperados no Brasil e devem ser cada vez mais frequentes. Conforme projetado pela ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar) no ano passado, para o Brasil alcançar suas metas de redução de emissão assumidas no Acordo de Paris, R$125 milhões devem ser investidos em projetos de energia Solar até 2030.

 

Novos projetos

Uma dessas usinas de energia solar no Brasil previstas para entrar em operação este ano é a que está sendo construída no município de Pirapora, interior de Minas Gerais. O empreendimento, que será um dos maiores do tipo no país, está sendo construído em uma extensa área plana de 400 hectares próxima ao rio São Francisco, e seu investimento previsto é de R$1 bilhão.

O projeto é do grupo de energia francês EDF, através da EDF Energies Nouvelles, o braço de energia renovável da multinacional, e contará com cerca de 600 mil painéis que irão gerar ao máximo 191 MW (megawatts) de potência, os quais serão utilizados para alimentar a rede nacional. Ao todo, cerca de 300 funcionários já estão trabalhando no projeto, sendo a maioria deles da própria cidade e região. 

Os módulos fotovoltaicos que estão sendo utilizados no projeto foram todos fabricados no país, através de uma parceria da Canadian Solar (sócia no empreendimento) e a multinacional Flex. 

“Apesar de painéis brasileiros serem mais caros que os importados, temos como estratégia apostar em conteúdo local porque isso permite financiamentos com o BNDES, facilita outros financiamentos locais e também mitiga riscos cambiais”, afirmou Paulo Abranches, CEO no Brasil da EDF.

Segundo informações da ABSOLAR, com os projetos de usinas de energia solar no Brasil prontos para entrarem em operação ainda este ano, o país irá alcançar o primeiro Gigawatt de potência gerado por parques solares.

Embora a notícia seja positiva, ela mostra o atraso que os projetos contratados estão tendo para entrar em operação, uma vez que, se todos aqueles que foram contratados nos leilões desde 2014 já estivessem em operação, eles poderiam estar gerando 2GW de energia ao país em 2017.

 

Maiores Usinas Solares do Brasil

Dentre as usinas de energia solar no Brasil já em operação, aquelas com maior capacidade instalada encontram-se em regiões diversas do país, localizadas nos estados de Pernambuco, Santa Catarina e Minas Gerais.

A maior delas fica na cidade de Tacaratu-PE. Tratando-se, na verdade, de duas usinas operando em conjunto, as Fontes Solar I e II, como são chamadas, totalizam 11MW de potência gerada.

O projeto é da empresa Enel Green Power, que mantém na mesma cidade um parque eólico, chamado de Fonte dos Ventos, e que opera em conjunto com as usinas solares, transformando-se em um parque gerador híbrido.

A segunda delas é a usina solar da empresa Engie, antiga Trectebel, que está situada na cidade de Tubarão-SC e que gera 3 MWp de energia (Mais informações abaixo).

Em terceiro lugar vem a usina solar instalada no estádio do Mineirão, em Belo Horizonte-MG. São cerca de 6.000 painéis instalados sobre sua cobertura que geram 1,42 MWp de potência. O projeto foi realizado pela Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais) e toda a energia é injetada em sua rede.

A usina do Mineirão tem seus próprios recordes, sendo o estádio de futebol com a maior usina solar do Brasil e o primeiro estádio sede de jogos da Copa do Mundo com uma usina fotovoltaica instalada.

Usina Cidade Azul

Inaugurada em 09 de agosto de 2014, a usina Cidade Azul, da cidade de Tubarão-SC, manteve o recorde de maior usina solar do Brasil por um tempo e, hoje, ocupa o segundo lugar.

Seu nome foi escolhido através do voto da população local e que, segundo a prefeitura da cidade, foi o nome dado à cidade pelo poeta catarinense Virgílio Várzea.

Contando com 19.424 painéis fotovoltaicos de diferentes tecnologias japonesa e alemã, silício Monocristalino e Policristalino, a usina da empresa Engie gera energia suficiente para abastecer 2,5 mil casas em um ano e ocupa uma área de 10 hectares.

O projeto teve um custo de produção total de R$30 milhões e faz parte do programa de Pesquisa e Desenvolvimento da ANEEL, junto com outras empresas parceiras.

Usina Fotovoltaica de Tauá no Ceará

Em agosto de 2011 foi inaugurada aquela que foi a primeira usina solar do Brasil. Instalada na cidade de Tauá, localizada no Sertão dos Inhamuns do Ceará, o projeto foi realizado pelo grupo MPX, na época do empreendedor Eike Batista.

Contando com 4.680 painéis fotovoltaicos, instalados em uma área de 12 mil m², a usina gera 1 MW de potência (suficiente para abastecer 1.500 casas).

Foram cerca de R$ 10 milhões investidos na construção do projeto, que contou com o apoio da prefeitura da cidade e gerou, na época, 250 empregos indiretos, além de trazer um desenvolvimento enorme para Tauá. 

Após ser vendida para a empresa alemã E.ON, a usina mudou de nome e agora se chama ENEVA. Confira abaixo a visita feita nessa usina, que entrou para a história da energia solar no Brasil:

Analista de Marketing
Redator e Tradutor