Como Carros Movidos a Energia Solar Já São Uma Realidade Acessível e Como Você Pode Ter o Seu

Como Carros Movidos a Energia Solar Já São Uma Realidade Acessível e Como Você Pode Ter o Seu
4.4 (88.57%) 7 vote[s]

Carros Movidos a Energia Solar andando pelas ruas é uma cena que, até poucos anos atrás, poderia ser considerada como algo apenas em filmes de ficção científica, nunca uma possibilidade realizável para nós, sociedade sempre tão dependente dos motores à combustão.

Contudo, projetos de carros movidos a energia alternativa, como a solar, há tempos são apresentados como possíveis substitutos aos modelos tradicionais e, com a crescente necessidade da descarbonização mundial, se tornaram um objetivo da indústria automobilística.

Com o desenvolvimento da tecnologia de geração solar elétrica ocorrido nos últimos tempos, carros movidos pela luz do sol despontaram como uma solução já viável aos dias de hoje. 

Embora ainda sejam poucos os modelos de carros solares autogeradores, ou seja, que geram a própria energia que consomem, carros movidos 100% a energia solar são hoje uma possibilidade real através do uso de diferentes tecnologias.

Com a preocupação ambiental e, principalmente, a do bolso na hora de abastecer, a cada dia mais esses veículos “futuristas” tomam as ruas de países ao redor do globo, levando sustentabilidade e, o melhor, economia aos seus proprietários.

Neste artigo irei falar tudo sobre esses veículos e como já é possível a você abandonar o seu antigo carro à gasolina.

Portanto, se você já pensa em um modelo movido a energia solar para o seu próximo carro, fique atento.

A História do Carro Movido a Energia Solar

O primeiro veículo solar criado tinha apenas 38 centímetros de comprimento e não apenas parecia um carrinho de brinquedo, como o seu nome também era de um: Sunmobile.

O projeto foi desenvolvido pelo americano William G. Cobb, funcionário da General Motors, e apresentado na feira “Powerama” da própria montadora, realizada na cidade americana de Chicago, em 31 de agosto 1955.

O “carro” contava com 6 placas fotovoltaicas de Selênio (substância não metálica com propriedades condutoras) que alimentavam um pequeno motor elétrico ligado ao eixo de transmissão do veículo.

Foi somente 7 anos depois que o primeiro carro solar dirigível foi apresentado ao público.

Em 1958, a empresa International Rectifier Company converteu um modelo de 1912 do carro elétrico Baker para funcionar com energia fotovoltaica, mas somente 4 anos depois é que eles divulgaram seu projeto.

Eram, ao todo, cerca de 10.640 células solares fotovoltaicas individuais montadas sobre o telhado do automóvel para alimentar a sua tração.

O Bluebird, desenvolvido em 1977 pelo professor da Universidade de Alabama, Ed Passereni, foi exibido na World Fair em Knoxville, Tennessee, em 1982.

O projeto era um protótipo de veículo em escala real e deveria mover-se apenas pela energia criada pelas células fotovoltaicas sem o uso de uma bateria. 

Entre 1977 e 1980 (as datas exatas não são conhecidas com certeza), na Universidade Tokyo Denki, o professor Masaharu Fujita criou uma bicicleta solar, depois uma carro solar de 4 rodas. O carro era na verdade duas bicicletas solares juntas.

Em 1980, no departamento de engenharia da Universidade de Tel Aviv, em Israel, Arye Braunstein e seus colegas criaram um carro solar.

O carro tinha um painel solar no capô e um no teto, compostos por 432 células, criando 400 watts de potência de pico. O carro solar usou 8 baterias de 6 volts cada para armazenar a energia fotovoltaica.

Em 1981, Hans Tholstrup e Larry Perkins construíram um carro de corrida movido a energia solar. Em 1982, o par tornou-se o primeiro a cruzar um continente em um carro solar, de Perth a Sydney, na Austrália. Tholstrup é o criador do World Solar Challenge na Austrália.

Em 1984, Greg Johanson e Joel Davidson inventaram o carro de corrida solar Sunrunner, que estabeleceu o recorde mundial oficial do Guinness em Bellflower, Califórnia, ao atingir 39,7 km/h para um veículo alimentado exclusivamente pelas placas solares, sem uso de baterias. 

No Deserto de Mojave, também na Califórnia, a velocidade máxima final foi de 66 km/h.

Já o carro GM Sunraycer completou, em 1987, uma viagem de 1.866 milhas com uma velocidade média de 67,5 km/h.

Desde então, muitos carros solares foram inventados em universidades e até mesmo por montadoras exclusivamente para competições de carros solares.

Corridas Solares: Tecnologia Solar Automotiva Colocada a Prova

Corridas de carros solares são disputadas ao redor do mundo por veículos elétricos alimentados por energia solar obtida a partir de painéis solares na superfície do carro.

A primeira corrida de carros solares foi o Tour de Sol em 1985, que levou a várias corridas similares na Europa, EUA e Austrália.

Esses desafios são frequentemente introduzidos pelas universidades para desenvolver as habilidades tecnológicas e de engenharia de seus alunos, mas muitas empresa privadas já participaram de competições no passado.

As corridas solares mais famosas são:

Desafio Solar Mundial

Essa tradicional corrida, que em 2017 teve a sua 30ª edição realizada, coloca vários times de competidores do mundo todo para atravessarem o continente australiano.

Em junho de 2006, grandes mudanças na regulamentação foram lançadas para aumentar a segurança do evento, como a desaceleração dos carros, que poderiam facilmente ultrapassar o limite de velocidade (110 km/h) nos anos anteriores.

Em 2013, os organizadores do evento introduziram a classe Cruiser, projetada para incentivar os participantes a projetar um veículo “prático” movido a energia solar.

Esta corrida requer que os veículos tenham quatro rodas e assentos eretos para os passageiros, e é julgado em uma série de fatores, incluindo tempo, carga útil, milhas de passageiros e uso de energia externa. 

Desafio Solar Americano

O American Solar Challenge (ASC), anteriormente conhecido como ‘North American Solar Challenge’, apresenta principalmente equipes colegiadas competindo em intervalos regulares nos Estados Unidos e no Canadá.

A corrida de pista anual Formula Sun Grand Prix é usada como qualificador para o ASC.

O American Solar Challenge foi patrocinado em parte por vários pequenos patrocinadores. No entanto, o financiamento foi cortado perto do final de 2005, e a ASC de 2007 foi cancelada.

A comunidade norte-americana de corridas solares trabalhou para encontrar uma solução, trazendo a Toyota como principal patrocinador para a corrida de 2008.

Após s edição, a Toyota abandonou o patrocínio e o último North American Solar Challenge foi realizado em 2016, de Brecksville, no estado de Ohio até Hot Springs, no Arkansas.

Desafio Solar Sul Africano

O South African Solar Challenge é uma corrida bienal de carros solares, com duração de duas semanas, em toda a extensão da África do Sul.

O primeiro desafio aconteceu em 2008 com o apoio internacional necessário da FIA (Federação Internacional do Automóvel) e provou que este evento pode atrair o interesse do público.

Os participantes saem de Pretória e seguem para a Cidade do Cabo, em seguida, dirigem ao longo da costa até Durban, antes de escalar a escarpa no caminho de volta à linha de chegada em Pretória, 11 dias depois.

O evento tornou-se a primeira corrida Solar a receber o endosso de três organizações distintas, Federação Internacional de Carros Solares (ISF), a FIA e a World Wildlife Fund (WWF). A última corrida teve lugar em 2016.

Carrera Solar Atacama

O Carrera Solar Atacama é a primeira corrida de carros movidos a energia solar da América Latina e abrange 2.600 km de Santiago a Arica, no norte do Chile.

O fundador da corrida, La Ruta Solar, afirma que é a mais extrema das corridas de veículos devido aos altos níveis de radiação solar, até 8.5 kWh/m²/dia, encontrados ao atravessar o Deserto do Atacama, além da altura de 3.500 m acima do nível do mar.

A corrida, que estreou em 2011 com apenas um punhado de equipes locais, teve a sua quinta edição realizada em outubro de 2018 com 11 equipes competindo seus veículos que atingiam até 140 km/h.

Carros Solares Populares: A tecnologia Chegando às Ruas

Tá achando que esses carros solares iam ficar apenas nas pistas de corrida?

Duas empresas europeias decidiram que é hora deles chegarem as ruas e anunciaram novos protótipos de carros solares que estarão disponíveis para produção em massa até o final de 2019.

E o que é ainda mais surpreendente: a um preço razoável.

Os dois fabricantes são duas startups, a startup holandesa chamada Lightyear, e a fabricante alemã Sono Motors.

Sion (Sono Motors)

A Sono Motors anunciou em 2018 que o seu carro “Sion” é o primeiro carro elétrico em massa que pode carregar sua bateria usando energia solar e estará disponível em grande quantidade já este ano.

O Sion tem 330 células solares conectadas ao teto, ao capô e às laterais do veículo e o sistema de bateria oferecerá um alcance de aproximadamente 250 km antes de precisar ser recarregado.

Este carro solar pode ser carregado de 3 maneiras diferentes: a partir de seus painéis solares, de tomadas elétricas padrão e de outros carros solares.

O exterior realmente se destaca, todo preto e com as células solares de silício monocristalino negras localizadas em ambos os lados, o teto, a parte traseira e o capô, capazes de produzir uma potência máxima de 1.204 watts de energia.

Mesmo com células solares, o carro em si é leve e seu exterior é feito principalmente de policarbonato altamente durável. O Sion ainda usa uma bateria de íon-lítio com capacidade de 35 kWh.

O preço de lançamento do Sion é de 18 mil dólares sem bateria e entre 28 a 30 mil dólares para as versões com bateria, mudando conforme ao tipo utilizado. A empresa anunciou que já possui 9.000 unidades encomendadas até agora.

Lightyear One

A Lightyear é uma empresa holandesa fundada em 2013 por um grupo de estudantes. O Lightyear One promete ser um carro solar estiloso, mas… tudo tem seu preço. 

O modelo de lançamento custa impressionantes 140.000 dólares, fora os impostos, e está limitado a 100 peças. Já é possível encomendar pela pré-venda e a data de entrega é início de 2020.

Existe também um modelo secundário a um preço reduzido, mas com lançamento posterior para o final de 2021.

O Lightyear One promete alcance mínimo de 400 km e máximo de quase 800 km por carga, quase 4 vezes o oferecido pelo Sion.

Serão três opções de carregamento padrão (luz solar, tomada doméstica padrão, ponto de carregamento padrão EV) mais um carregador rápido EV adicional como uma opção conveniente.

Com esses dois carros prestes a estrear nas estradas da Europa, o futuro dos carros movidos a energia solar está mais brilhante do que nunca.

Sistemas Fotovoltaicos: Energia Para Carros Elétricos

Mas não são apenas os veículos que estão tendo sua fonte de energia modificada nos últimos anos, e sim tudo o mais que consome energia, como equipamentos, residências e empresas.

Os carros fazem parte de uma revolução maior e que está ocorrendo nesse exato momento, que é a revolução energética.

O uso da energia solar para gerar a própria energia elétrica e economizar na conta de luz, através da tecnologia dos sistemas fotovoltaicos, não é mais novidade para a maioria dos consumidores brasileiros hoje.

Muitos deles, mais de 64 mil inclusive, já contam com o sistema em suas casas ou empresas e ostentam as placas azuis em seus telhados.

Em franca expansão desde 2012, quando a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) estabeleceu suas regras, o segmento de geração distribuída de energia no país crava níveis de crescimento impressionantes a cada ano.

E isso não é a toa, uma vez que todos consumidores buscam nessa tecnologia a chance de produzir sua própria energia e se libertar das amarras das distribuidoras, obtendo uma segurança contra a contínua inflação energética no país que não apresenta sinais de acabar tão cedo.

Com um desses sistemas instalado, o consumidor consegue gerar até 100% da energia que consome em sua casa ou empresa, podendo utilizá-la para alimentar qualquer equipamento elétrico conectado à tomada.

E é ao juntar essa tecnologia com a dos veículos elétricos que já se torna possível, hoje em dia, possuir um carro movido a energia solar.

Para esses consumidores, o “posto de gasolina” está em cima do telhado de sua casa ou empresa, gerando energia através de células fotovoltaicas.

Uma reportagem divulgada em 2017 pelo programa Auto Esporte, da emissora Globo, entrevistou consumidores e especialistas dessas tecnologias para dar um pequeno vislumbre de uma realidade já existente no Brasil.

O Poder da Energia Solar

Morador da cidade de Jaguariúna, no estado de São Paulo, Leonardo Coelho foi quem falou ao programa sobre o uso dessas tecnologias.

Ele conta como, já possuindo o carro elétrico, assim como uma Scooter também movida a energia, decidiu investir no sistema de energia solar fotovoltaica já na construção da casa onde atualmente reside.

A razão para isso vem na hora em que ele responde a pergunta do apresentador sobre o quanto ele paga pela energia que consome em sua casa e que usa para alimentar seus veículos: 0 reais.

É isso mesmo, com o seu sistema o Leonardo consegue gerar a própria energia e, através do sistema de créditos energéticos criados pela Aneel, compensar toda a energia consumida da rede nos horários em que o sistema não consegue supri-lo.

Vale lembrar, no entanto, que o consumidor com o sistema instalado ainda continua pagando pela taxa mínima da distribuidora, a qual refere-se ao custo de manutenção da rede elétrica e serviços de iluminação pública.

Leonardo é um das centenas de clientes atendidos pela Blue Sol Energia Solar em todo o país. Contando com 14 módulos fotovoltaicos e 1 inversor, seu sistema consegue gerar até 3,7 quilowatt-pico e funciona desde abril deste ano, quando foi instalado.

A reportagem segue mostrando como, associados a fotovoltaica, os carros elétricos estão revolucionando o mercado automobilístico de países desenvolvidos, entregando mais independência ao consumidor que passa a gerar não só a própria energia, como também seu próprio “combustível”.

Com várias das principais montadoras anunciando prazos para início da produção de elétricos e híbridos, além de governos de países colocando prazo para o fim das vendas dos carros à combustão, a matéria mostra como essa é uma estrada sem volta.


Gostou do artigo? Ficou com alguma dúvida? Então não deixe de postar abaixo o seu feedback. Abraço e até a próxima!