Energia Solar em Santa Catarina: Guia para Quem Quer Instalar ou Fazer Dinheiro Com Placas Solares

Gerar energia solar em Santa Catarina traz uma redução de até 95% na conta de luz, proteção contra a inflação energética e outras vantagens que atraem mais consumidores a cada ano, expandindo um mercado carente por novos empreendedores e empresas solares. Conheça o cenário completo.

É comum as pessoas se espantarem em como a energia solar cresceu em Santa Catarina nos últimos anos.

Muitos ainda acreditam que as placas solares são vantajosas apenas em regiões quentes e ensolaradas, como o Nordeste.

Mas a verdade é que os três estados do Sul do país estão hoje entre os líderes da energia solar no Brasil.

Em Santa Catarina, o número de instalações de sistemas solares cresce consecutivamente desde 2012, ano em que foram criadas as regras da geração distribuída.

Assim como no resto do país, a tecnologia se tornou objeto de desejo dos consumidores do estado por oferecer redução de até 95% na conta de luz e proteção contra a constante inflação energética brasileira.

E, claro, a satisfação por estar contribuindo para a sustentabilidade do Brasil através de uma fonte de energia 100% limpa.

Desde então, a queda no preço da tecnologia e a oferta de linhas de financiamento de energia solar ajudaram para que mais catarinenses conseguissem instalar o sistema em suas casas e empresas.

No entanto, embora apresente forte crescimento, o mercado solar em Santa Catarina ainda é incipiente.

Dos quase 7 milhões de consumidores de energia elétrica do estado, apenas pouco mais de 10 mil deles possuem seu gerador solar.

Uma ótima notícia para quem busca oportunidades de emprego ou empreendedorismo e quer trabalhar com energia solar.

Então esteja você buscando instalar um sistema de energia solar em Santa Catarina ou uma profissão de sucesso, este artigo é pra você!

O Que É e Como Funciona Energia Solar

A primeira coisa que você precisa saber é que a energia solar fotovoltaica é a conversão direta da luz do sol em energia elétrica.

Para isso, a tecnologia faz uso de um conjunto de equipamentos que formam o kit de energia solar, ou apenas kit solar.

Quando instalados e funcionando em uma casa ou empresa, eles se tornam os chamados sistemas fotovoltaicos.

São dois principais equipamentos de um sistema fotovoltaico:

  • Placas Solares: captam a luz do sol e a convertem em energia elétrica;
  • Inversor interativo: adapta a corrente elétrica da energia gerada pelas placas ao padrão da nossa rede elétrica.

Cada placa solar possui determinada capacidade de geração que, sozinha, é muito pouca para alimentar uma casa ou empresa.

Assim, uma quantidade delas precisa ser calculada para atender o imóvel e, quando juntas, formam o painel solar.

Confira o funcionamento desses sistemas na rápida animação abaixo:

Vemos então que esses sistemas funcionam em conjunto com rede elétrica da distribuidora local, realizando a troca da energia gerada durante o dia com a energia consumida à noite.

Os créditos energéticos são fruto das regras do segmento de geração distribuída promulgadas em 2012 pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Para consumidores residenciais e pequenas empresas, essa troca de energia é feita de forma proporcional.

Ou seja, cada 1 kWh de energia gerado compensa exatamente o valor dessa energia na conta de luz.

Por sua vez, em grandes empresas e indústrias a compensação da energia é feita com base em hora pico.

Além disso, o sistema de créditos permitiu a Aneel criar novas modalidades de geração distribuída que beneficiaram mais consumidores e ampliaram o público da energia solar.

Veja quais são elas e como funcionam no artigo>  Geração de Energia Solar: 3 Formas de Gerar Sua Energia

Quanto Custa e Como Instalar Energia Solar em Santa Catarina

Assim como em uma conta de luz, o valor de um sistema de energia solar varia conforme cada casa ou empresa.

E o motivo é o mesmo nos dois casos: o consumo de energia.

Cada imóvel demanda uma carga específica que deve ser estudada na hora de dimensionar um sistema fotovoltaico conectado à rede.

Somente assim é possível calcular com precisão a quantidade de placas, inversores e demais equipamentos que serão necessários no projeto.

Além disso, cada casa ou empresa também possui suas particularidades, como direção e inclinação do telhado, que são cruciais no desenvolvimento do projeto fotovoltaico.

Portando, não existe tabela de preços e tamanhos de sistema, mas sim calculadoras solares que permitem a você simular o seu projeto.

A melhor delas está disponível para você pelo botão abaixo 👇:

energia solar em santa catarina

Após a simulação, você ainda tem a possibilidade de solicitar o orçamento gratuito do seu projeto, que é a primeira etapa no passo a passo para a instalação de energia solar.

No orçamento é apresentado o valor real do projeto, junto às marcas, modelos e quantidades dos equipamentos que irão compor o seu sistema, além das formas de pagamento.

Após fechado o orçamento, a equipe de engenheiros da empresa de energia solar irá até o imóvel realizar a visita técnica, na qual coleta informações cruciais para o desenvolvimento do projeto.

Projeto concluído e equipamentos entregues, o próximo passo é a instalação do sistema, que é a parte mais rápida de todo o processo, até dois dias para uma casa pequena.

Depois da instalação, a última etapa é a vistoria da distribuidora, que verifica se o sistema instalado está em conformidade ao projeto apresentado.

Estando tudo certo, o sistema é conectado à rede elétrica e pronto! Você já está gerando energia solar em Santa Catarina.

Mercado Solar em Santa Catarina: Cenário e Oportunidades

Se você procura um mercado de trabalho com potencial e oportunidades então este é o setor solar no estado catarinense.

Mesmo com o crescimento consecutivo dos últimos 8 anos, o mercado ainda engloba apenas 0,15% do público total de consumidores.

Segundos os dados da Aneel, eram 10.827 catarinenses com geração distribuída até o final de 2019.

Dos micro e minigeradores instalados, mais de 99% deles são de sistemas fotovoltaicos, liderança que a tecnologia mantém em todo o segmento distribuído brasileiro desde o seu começo, em 2012.

O cenário da energia solar em Santa Catarina também espelha o mercado nacional na separação por classe de consumo.

Instalações de energia solar residencial lideram o segmento, com mais de 67% dos geradores.

Sem seguida vem as instalações de energia solar rural, com 16,23%, um nicho com crescimento impulsionado pelas linhas de financiamento subsidiadas e exclusivas para o setor.

Instalações comerciais são a terceira de maior volume, com 13,34%, e em menor quantidade seguem projetos industriais e de poder público.

Os maiores mercados do estado para investir estão nas cidades de Florianópolis, Blumenau, Jaraguá do Sul e Joinville.

Com pouco mais de 160 empresas de energia solar em todo o estado, Santa Catarina carece de novos empreendedores para expandir a tecnologia.

Uma boa opção para esses empresários tem sido a oferta de franquias de energia solar, que oferecem retorno acima de sete dígitos já no primeiro ano de atuação. 

Conclusão

A perspectiva do mercado para os próximos anos é uma só: mais crescimento.

Segundo a estimativa mais recente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), o Brasil terá 1,3 milhão de consumidores com geração distribuída até 2029.

E Santa Catarina tem tudo para seguir esse ritmo e continuar como um dos protagonistas da expansão solar no país.

Além de condições de geração favoráveis, o estado conta com os dois incentivos hoje existentes para a energia solar no Brasil que favorecem o prazo de retorno sobre o investimento.

São eles a isenção de PIS e COFINS e a isenção de ICMS sobre a energia solar.

Diante disso tudo, a energia solar em Santa Catarina só tende a brilhar cada vez mais.