Cerca de 2 GW de Energia Solar Foram Comercializadas No Brasil em 2018

Cerca de 2 GW de Energia Solar Foram Comercializadas No Brasil em 2018
O que achou?

Com a contínua queda de seus custos e, consequentemente, seus preços, a energia solar fotovoltaica segue como destaque no setor elétrico brasileiro não só na geração dentro de mercado regulado, mas também no mercado livre.

Nesta modalidade, grandes consumidores podem contratar a sua energia diretamente com o fornecedor que oferecer os melhores preços e/ou qualidade, assim como os brasileiros fazem com o seu serviço de telefonia móvel.

E, com a depreciação da fotovoltaica, cada vez mais essa energia livremente comercializada vem da fonte solar, com quase 2 Gigawatts (GW) vendidos em 2018, segundo estudo da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR).

No último leilão de energia, por exemplo, os projetos de energia solar comercializaram sua produção à U$118,07 o megawatt-hora, valor que coloca a fonte em nível de competitividade entre as demais, sejam elas limpas ou poluentes, como a hídrica e biomassa.

Como fatores determinantes para esta concorrência da energia solar estão a redução dos custos dos equipamentos registrada na última década, a recuperação do real frente ao dólar este ano e a alta concorrência de mercado entre os investidores.

No entanto, os especialistas defendem algumas medidas fundamentais para realmente consolidar a fonte solar no mercado livre de energia, incluindo uma estruturação financeira adequada, a implementação de projetos, a conexão com a rede e regras claras para a comercialização.

Outro ponto defendido pelo setor é a criação de instrumentos legais e regulatórios que garantam a igualdade nos processos entre ambientes livres e regulados.

Além dos varejistas, os próprios consumidores com sistemas fotovoltaicos em residências, empresas e indústrias veem com bons olhos a venda de energia solar fotovoltaica no mercado de energia livre.

Isso devido a atual discussão no país para autorizar a venda dos excedentes de geração distribuídos, medida que pode ser implementada na próxima atualização das normas regulatórias da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) em 2019.

Fonte: PV Magazine Latin America – Site

Recomendamos para Você:

Analista de Marketing
Redator e Tradutor