Energia Solar Na Transposição do São Francisco É Sustentabilidade, Economia e Empregos

O que achou?

Uma das maiores vantagens da energia solar é a sua disponibilidade. A luz do sol está presente em qualquer lugar e, caso nesse local haja uma demanda elétrica, ali então será possível gerar energia de forma limpa e econômica através da tecnologia dos painéis solares fotovoltaicos.

E, atualmente, é assim que o fazem mais de 63 mil brasileiros em todo o país através dos sistemas solares fotovoltaicos, que funcionando em conjunto com a rede elétrica, permitem ao consumidor economizar até 95% na conta de luz com uma geração própria de energia. 

Agora, por meio de um estudo de viabilidade contratado pelo Ministério da Integração Nacional e incentivado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), um dos maiores projetos fotovoltaicos do Brasil está prestes a nascer junto as obras de transposição do rio São Francisco e que poderá ajudar a reduzir em até 80% o gasto operacional do projeto, que é o consumo elétrico.

Apresentado em Recife, o estudo mostrou o cenário para três alternativas de implantação das placas ao longo dos canais que irão transportar as águas do rio e que cortam 4 estados brasileiros (Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará).

No cenário de máxima utilização do potencial energético, o projeto custaria cerca de R$15,72 milhões e poderia gerar até 3,54 gigawatts de energia, volume maior que a atual produção da hidrelétrica de Xingó instalada nas águas do mesmo rio.

A boa notícia é que, como esse cenário prevê uma capacidade de geração maior que a futura demanda elétrica total do projeto, o excedente produzido poderá ser vendido para as redes de distribuição, assim como em uma usina solar tradicional, fato que atraiu a atenção de investidores privados para custeio de mais de 90% das obras.

Para a matriz elétrica do Brasil, isso significa mais diversidade e produção elétrica. Para a população desses estados, o resultado seria uma economia de R$240 milhões ao ano com o custo elétrico para bombeio da água, além de uma projeção de mais de 100 mil empregos que serão criados pelas obras do projeto fotovoltaico.