Energia Solar no Rio Grande do Sul: As Informações Essenciais Para Quem Deseja Reduzir a Conta de Luz

Energia Solar no Rio Grande do Sul: As Informações Essenciais Para Quem Deseja Reduzir a Conta de Luz
3.5 (70%) 2 vote[s]

Com fatores climáticos favoráveis, a Energia Solar no RS cresce forte e, hoje, o estado ocupa a terceira posição no ranking nacional com mais sistemas instalados, espalhados entre casas e empresas que com eles geram sua própria energia e economizam até 95% na conta de luz.

Conhecida por suas baixas temperaturas, a região sul do Brasil não costuma vir a mente das pessoas quando o assunto é geração elétrica por placas solares, mas a verdade é outra, como no uso da energia solar no Rio Grande do Sul.

O estado, que abriga mais de onze milhões de habitantes, ocupa hoje uma posição de destaque no ranking nacional entre as regiões com mais sistemas instalados e com maior potência total de micro e minigeradores solares.

As tarifas cobradas pelas distribuidoras locais, ainda, garantem um ótimo retorno para os consumidores que optam por investir nos sistemas fotovoltaicos.

Neste artigo irei mostrar o cenário da tecnologia solar no estado do RS, como funcionam os sistemas e qual a melhor empresa para você procurar na hora apostar na economia da energia solar para a sua casa ou empresa. Confira!

Energia Solar RS: Como Funciona?

No Brasil inteiro, o tipo de sistema fotovoltaico mais utilizado é o conectado à rede, que funciona em conjunto com a rede pública da distribuidora.

O funcionamento desse sistema começa pelas placas solares, que captam a luz do sol e, por esse motivo, precisam ser instaladas sobre os telhados das casas e empresas.

Através das várias células fotovoltaicas das quais são compostas, as placas convertem diretamente a luz em energia elétrica, por meio de um processo chamado efeito fotovoltaico.

Quer saber em detalhes como que a luz do sol é convertida em energia elétrica? Então confira o artigo: Célula Fotovoltaica – O Guia Técnico Absolutamente Completo

A energia gerada pelas placas é então enviada a outro importante equipamento dos sistemas fotovoltaicos, o inversor interativo.

Considerado o cérebro do sistema, o inversor é o aparelho que converte a energia gerada pelas placas aos padrões da energia que usamos em nossas tomadas.

Após ser convertida aos padrões da rede elétrica, a energia é enviada ao quadro de força para então ser distribuída e utilizada por todo o imóvel.

Energia é algo instantâneo, ou a utilizamos na hora em que foi produzida ou então ela precisa ser enviada ou armazenada em algum lugar.

No caso dos sistemas fotovoltaicos conectados à rede, também chamados de sistemas On-Grid, a energia gerada e que não foi consumida na hora é enviada a rede elétrica e emprestada para a distribuidora.

Os sistemas geram energia pela luz do sol, dessa forma sua produção está diretamente ligada a quantidade de luz que as placas recebem.

Em momentos de pouca iluminação (começo da manhã e fim da tarde) ou durante à noite, a energia da rede é usada para compensar a pouca geração do sistema.

Ao final do mês, então, a distribuidora irá calcular quanta energia foi injetada e quanta foi consumida de sua rede, informando os valores na sua fatura de luz.

Toda energia que foi injetada é transformada em créditos, que abatem a energia consumida, permitindo a você zerar todo o consumo da rede e obter uma economia de até 95% na sua conta.

Muito simples, não é mesmo?

Confira a rápida animação abaixo sobre o funcionamento de um sistema fotovoltaico On-Grid e a geração de créditos energéticos:

Modalidades de Geração

A instalação e funcionamento de um sistema de energia solar é fundamentado dentro das regras do segmento de geração distribuída, criadas e reguladas pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Inicialmente, quando foram criadas em 2012 através da Resolução Normativa 482, as regras previam o uso dos créditos somente no imóvel onde eles foram gerados ou em outro de mesma propriedade do titular.

Em 2015, então, a ANEEL revisou as regras do segmento e criou três novas modalidades de geração que permitiram a mais consumidores utilizarem os sistemas fotovoltaicos. São elas:

Autoconsumo Remoto

Nessa modalidade, o consumidor (pessoa física ou jurídica) sem espaço para a instalação de um sistema no local onde reside/trabalha, mas que tenha outro imóvel ou terreno em sua titularidade, poderá lá instalar o sistema e utilizar os créditos gerados para abater do consumo onde reside, devendo ambos os locais serem atendidos pela mesma distribuidora.

Geração Compartilhada

Aqui consumidores (CPF ou CNPJ) podem se unir através de cooperativa ou consórcio para a instalação de um sistema central, que deverá ser instalado em local diferente dos imóveis que receberão os créditos, porém todos devendo estar dentro da área de concessão da mesma distribuidora.

Os créditos gerados por esse sistema serão então compartilhados entre os integrantes do consórcio, obedecendo as porcentagens pré-estabelecidas entre eles.

Geração Em Múltiplas Unidades Consumidoras

Esta modalidade foi criada para atender moradores de condomínios residenciais ou comerciais, que geralmente não dispõem de espaço para a instalação de um sistema próprio.

Nesta modalidade, os condôminos se unem para a instalação de um sistema central, a ser instalado em área comum do prédio e que irá gerar créditos para serem compartilhados entre os integrantes, assim como também para atender o consumo de áreas comuns.

Vantagens da Instalação De Energia Solar

Entre todas as fontes de energia renováveis permitidas dentro do segmento de geração distribuída, a solar é, de longe, a que mais se espalha pelo Brasil.

No Rio Grande do Sul não é diferente e, dos 11.628 geradores instalados na cidade até maio de 2019, 11.613 eram sistemas de energia solar fotovoltaica.

Qual a razão dessa preferência pela energia solar? Suas vantagens, é claro.

Os sistemas fotovoltaicos, além de utilizarem a fonte de energia renovável mais abundante no Brasil, também oferecem várias vantagens que os tornam a melhor opção.

Veja abaixo as 7 principais vantagens da energia solar:

#1 – Longa Vida Útil da Tecnologia

Embora sejam instaladas sobre os telhados e fiquem expostas todos os dias sobre o sol e chuva, as placas fotovoltaicas (corretamente conhecidas como módulos fotovoltaicos) possuem uma vida útil acima de 25 anos.

Além disso, a maiorias dos fabricantes garantem, até esse prazo, uma eficiência de no mínimo 80% em relação a original, ou seja, um módulo, até o 25º ano de vida, irá gerar pelo menos 80% da quantidade de energia que gerava no começo.

O inversor, que é o outro grande equipamento do sistema, possui vida útil de no mínimo 15 anos, que pode ser maior se o sistema receber as manutenções necessárias.

#2 – Pouca Manutenção

Diferente de um carro, que exige uma manutenção periódica de 3 em 3 meses, os sistemas fotovoltaicos, embora estejam lá, funcionando e gerando energia 12 horas por dia, necessitam de uma manutenção muito baixa.

A principal delas, e que pode ser feita pelo próprio consumidor, é a limpeza dos módulos, mas isso só no caso deles estarem muito sujos, o que não é frequente visto que eles possuem uma película antiaderente que previne o acúmulo de sujeira.

No caso da poeira, a própria água da chuva se encarrega de levar embora, porém, em caso de poluição ou excremento de pássaros, a limpeza é simples e necessita apenas de um jato d’água e uma vassoura de cerdas macias. Assista ao vídeo para mais informações:

Fora essa manutenção de limpeza dos módulos, a manutenção elétrica do sistema é também necessária, porém com bom menos frequência, apenas uma vez ao ano, e que garantem a otimização da geração do sistema.

#3 – Resistência a Intempéries

Além de pouca manutenção, o consumidor que instala um sistema pode ficar tranquilo quanto a frequentes reparos necessários.

Isso porque os sistemas, exatamente por necessitarem estar expostos sobre o céu aberto (placas) e serem elétricos, tem seus equipamentos fabricados com as mais resistentes proteções contra surtos.

As placas, por estarem mais vulneráveis, possuem tamanha resistência que aguentam impactos de grandes bolas de granizo, tudo para garantir que estejam funcionando durante a sua longa vida útil.

#4 – Rápida Instalação

Ok, você ficou fascinado por todas essas vantagens, teve a certeza de que a energia solar vale a pena e decidiu que, assim como milhares de brasileiros, também quer se tornar o gerador da sua própria energia.

Após contratar a empresa responsável, em muito tempo você terá o seu sistema instalado em sua casa ou empresa.À parte de alguma complicação, o prazo médio das instalações residenciais são de 2 a 3 dias.

Desde a visita inicial à empresa de energia solar até ter o sistema instalado, são 8 simples passos que o consumidor leva para se tornar um “prosumidor”, como são conhecidos aqueles que produzem a sua energia.

#5 – Geração Silenciosa

Preocupado com barulhos ou ruídos vindos do telhado e tirando a sua paz? Que nada! A geração de energia pela tecnologia solar fotovoltaica é totalmente silenciosa.

Isso porque ela utiliza um processo fotoquímico, e não mecânico, para gerar energia elétrica, chamado de efeito fotovoltaico e que ocorre silenciosamente dentro de cada uma das células que compõem o módulo.

Portanto, fique tranquilo, pois você poderá tirar aquele cochilo da tarde gostoso no final de semana, ligar seu ar condicionado ou ventilador com a certeza de que não terá altas contas de luz no final do mês.

#6 – Imunidade Contra a Inflação Energética

Fora a economia de até 95% na conta de luz, essa é uma das melhores vantagens da tecnologia. Com um sistema fotovoltaico você fica protegido contra a inflação energética que assombra o bolso dos brasileiros.

Devido ao fato de como está estruturado o setor elétrico do Brasil, fora os acontecimentos recentes que criaram dívidas a serem pagas por nós, consumidores, o preço da energia continuará subindo.

Mais um mês de bandeira vermelha? Pouco importa para quem gera a própria energia diretamente do seu telhado. Esse é o poder libertador que a energia solar entrega a você.

#7 – Rápido Retorno do Investimento (ROI)

Instalar um sistema de energia solar, diferente da aquisição de uma TV nova ou até mesmo da compra de um carro, é um investimento pois, desde que ele começa a gerar energia, você passa a obter um retorno do dinheiro gasto, que é a economia na conta de luz.

Vários fatores são estudados na hora de se calcular o retorno do investimento sobre o sistema fotovoltaico (também conhecido como payback), como a tarifa da distribuidora, a inflação energética e até mesmo o tamanho do sistema.

Retorno da Energia Solar 

E o payback para sistemas instalados no Rio Grande do Sul é muito bom, segundo o mais novo estudo da empresa de energia Comerc, que todo ano faz o levantamento das capitais brasileiras com os melhores retornos sobre o investimento em energia solar.

O retorno em um sistema residencial em Porto Alegre é, em média, de 3,49 anos. Já para sistemas comerciais instalados em alta tensão, a média é de 5,58 anos, ocupando a 12 ª posição do ranking.

Ou seja, para um sistema com no mínimo 25 anos de energia solar, o Rio Grande do Sul oferece um ótimo prazo de retorno para seus consumidores, que podem aproveitar até 19 anos de energia grátis de seu sistema.

Uso da Energia Solar no estado do RS 

Esse retorno, junto as demais vantagens da tecnologia, são os fatores que fazem do estado um dos mais “solares” do Brasil hoje.

Segundo os dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), o Rio Grande do Sul ocupa hoje a 3 ª posição entre os estados com mais geradores solares instalados.

Até o final de maio de 2019, eram 11.613 sistemas conectados à rede das suas distribuidoras, sendo 7.729 residenciais, 2.521 comerciais, 885 rurais, 426 industriais e 52 instalados em prédios ou obras do poder público.

A cidade de Santa Cruz do Sul fica em primeiro lugar entre as cidades com mais sistemas, sendo 664 deles até o mesmo período, gerando um total de 9,7 megawatts de energia limpa.

Com um o público de mais de 11 milhões de consumidores, o estado ainda possui um longo caminho a percorrer em sua trajetória solar.

Empresas de Energia Solar no Estado

E uma das formas para que o estado avance no cenário solar nacional é através de empresas de energia solar, que hoje somam apenas 228 em todo o estado.

São essas empresas que vendem, elaboram o projeto, instalam o sistema e realizam toda a solicitação de acesso com a distribuidora.

A Blue Sol, empresa pioneira do setor com mais de 10 anos de atuação no mercado, atua no Rio Grande do Sul com unidade franqueada, localizada na cidade de São Vendelino e sob o comando do parceiro Bernardo Angst.

Com um catálogo de mais de 1.700 sistema em todo os 26 estados brasileiros, mais o Distrito Federal, a empresa possui experiência nos processos das mais importantes distribuidoras do país.

A empresa oferece um simulador exclusivo para aqueles que desejam conhecer a sua economia com energia solar.

Trata-se da calculadora solar, que mediante a informação do valor mensal gasto com a conta de luz e a cidade de origem, consegue fornecer na hora o valor estimado de um sistema capaz de suprir o seu consumo.

Tudo muito prático e fácil, como você pode conferir pelo botão abaixo:

energia solar rs _ botão simulador


E você, tem alguma dica, sugestão ou dúvida sobre a energia solar no RS? Não esqueça de deixá-las nos comentários abaixo. Sua opinião é muito importante para nós.