Mercado Mundial de Geração Distribuída Deverá Atingir US$183 Bilhões em 2025

De acordo com um novo estudo feito pela Global Industry Analysts, o mercado global de Geração Distribuída (GD) de energia deverá crescer de US$ 61 bilhões em 2017 para mais de US$ 183 bilhões em 2025.

Entre os principais fatores apontados estão os avanços tecnológicos dos geradores, a crescente demanda dos consumidores e a consecutiva queda nos preços das tecnologias, principalmente a de kit energia solar.

No Brasil, esse segmento teve início em 2012 com a promulgação das regras da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) e, hoje, engloba um público de mais de 181 mil consumidores.

Nesta modalidade, a energia é gerada próxima ou no próprio ponto de consumo através de geradores conectados à rede, como os sistemas de energia solar fotovoltaica.

Além da economia na conta de luz e outras vantagens aos consumidores, a GD também beneficia o próprio setor elétrico, evitando o uso de linhas de transmissão e reduzindo as perdas do setor.

Segundo o estudo, as classes de consumo de maior representatividade no período analisado serão a comercial e residencial, que já conseguem obter toda sua energia através de painéis solares.

A própria demanda de energia deverá impulsionar o crescimento da GD mundial, uma vez que os geradores, alimentados por fontes de energia renováveis, são uma forma de atender as metas de descarbonização dos países.

Da mesma forma, o estudo aponta que os incentivos oferecidos por governos de vários países aos seus segmentos de GD serão cruciais para o crescimento do setor mundial.

No Brasil, uma recente tentativa da Aneel de acabar com o subsídio do setor gerou grande repercussão na mídia, sendo enfim vetada pelo presidente Jair Bolsonaro no começo deste ano.

O estudo afirma que a mudança gradual para geração distribuída a partir da geração centralizada ajudará os mercados dos países a atrair grande receita no período de previsão.

Somente no Brasil, a previsão é de 1,3 milhão de consumidores inseridos no segmento de GD até 2029 e quase R$ 50 bilhões em investimentos ao longo do período.