É Cada Vez Maior o Número de Empresas do Setor Elétrico Que Escolhem Projetos Solares

O que achou?

É fato que os preços em queda e o grande potencial da tecnologia fotovoltaica têm feito com que ela ganhe espaço crescente entre os consumidores do Brasil e do mundo, porém, um novo estudo revela que ela também é a escolha de cada vez mais empresas de geração de energia elétrica.

O levantamento foi feito pela Wiki-Solar, empresa de pesquisa de mercado focada no segmento fotovoltaico de grandes projetos de usinas solares, e mostrou que importantes empresas do setor aumentaram seu portfólio de projetos fotovoltaicos acima de 4 megawatts de potência.

No total compilado pela empresa até o final de 2018, esses novos projetos somaram 18 gigawatts de capacidade, embora os responsáveis pelo estudo aleguem que este número possa ser ainda maior, uma vez que as empresas participantes da pesquisa não divulgam todos os seus projetos.

“Vários jogadores importantes nos mantêm informados sobre suas contribuições, mas a participação de outros pode ser subestimada”, admitiu o fundador da Wiki-Solar, Philip Wolfe.

Segundo os números da Wiki-Solar, há apenas seis anos atrás, somente seis empresas de energia estavam entre os 30 principais proprietários de portfólios solares, situação que mudou drasticamente hoje, com empresas chinesas, norte-americanas e indianas liderando a carga de energia solar.

Já as principais empresas da Europa mantiveram sua posição investindo no exterior; em particular a italiana Enel na América do Sul e Central, e a francesa EDF na Ásia e na América.

Motivado pelo constante declínio nos custos, empresas de eletricidade de todo o mundo estão criando seus próprios portfólios de usinas solares fotovoltaicas, enquanto alguns proprietários líderes de projetos desenvolvem suas próprias empresas.

É o caso do Brasil, onde a queda dos preços trouxe grande competitividade à tecnologia nos leilões de energia e feito com que os projetos vencedores de um número variado de empresas nacionais e estrangeiras alavancassem a capacidade solar instalada no Brasil para mais de 2 GW em apenas 3 anos, superando a fonte nuclear.