Novos 142 GW de Energia Solar Deverão Ser Instalados no Mundo em 2020

O que achou?

Todo começo de ano sempre vem acompanhado de novas previsões para o mercado mundial de energia solar e uma das mais importantes foi revelada na semana passada.

A empresa de inteligência de negócios IHS Markit, em seu relatório “Previsão da demanda fotovoltaica global para 2020”, estima novos 142 Gigawatts (GW) de energia solar este ano.

O volume representa um crescimento de 14% em relação a capacidade instalada em 2019 e uma grande evolução frente ao começo da década passada, quando eram 20 GW instalados.

De acordo com as previsões da IHS, 43 países deverão atingir capacidades instaladas acima do 1 GW este ano. Em 2010 eram apenas 7.

Umas das mais expressivas fontes de energia renovável no Brasil, a solar fotovoltaica registra capacidade instalada de 4,4 GW no país hoje, entre geração centralizada e distribuída.

A China, o maior mercado fotovoltaico do mundo, deverá novamente liderar a expansão da energia solar em 2020, mas não conseguirá superar o crescimento histórico de 50 GW de 2017.

O fim dos subsídios para a tecnologia, a concorrência com outras fontes de energia e a expectativa pelo novo plano quinquenal em 2021 trazem incertezas para o mercado e levam a IHS a prever apenas um crescimento “acima dos dois dígitos”.

Já nos EUA, a energia solar deverá crescer 20% este ano e consolidar a posição do país como o segundo maior mercado do mundo.

Entre os estados americanos de destaque estão Califórnia, Texas, Flórida, Carolina do Norte e Nova York.

Enquanto isso, na Europa, as instalações fotovoltaicas deverão crescer mais de 24 GW este ano, 5% a mais que em 2019.

Os maiores representantes dessa expansão serão Espanha, Alemanha, Holanda, França, Itália e Ucrânia, com 63% do total instalado na região, como mostra o estudo.

Depois de um ano que chamou de “raso”, a IHS estima um crescimento de 14 GW para a energia solar na Índia.

Embora expressivo, o volume levaria a capacidade total instalada do país a 46 GW, muito abaixo da meta de 100 GW traçada para o ano.

No geral, a participação coletiva dos 10 principais mercados solares deverá cair para 73% até o final deste ano, ante os 94% em 2010.

Por outro lado, a IHS afirma que novos mercados deverão surgir no Sudeste Asiático, América Latina e Oriente Médio nesta década.

“2020 marca a década do surgimento de energia solar não subsidiada, diversificação e expansão da demanda de instalação solar em todo o mundo, novos participantes corporativos e aumento da competitividade em relação às fontes de energia convencionais”, declarou o diretor de tecnologia limpa e renováveis ​​da IHS Markit, Edurne Zoco.