Painéis Solares Coloridos E Eficientes Podem Ser a Próxima Inovação

Painéis Solares Coloridos E Eficientes Podem Ser a Próxima Inovação
5 (100%) 2 votes

Por utilizar a fonte de energia renovável mais abundante que temos, garantir um suprimento de energia por mais de 25 anos e quase não necessitar de manutenção, a tecnologia fotovoltaica já se consolidou como o futuro da geração de energia e, agora, um grupo de cientistas holandeses pode ter descoberto a solução para um dos seus únicos contras: seu visual estético.

Cada vez mais espalhados nas casas e empresas de consumidores que buscam economia e liberdade de produzir a sua própria energia, os painéis solares podem ser vistos de longe pois destoam nos telhados por possuírem sempre a mesma cor ( azul, azul escuro ou quase preto ) resultantes do material e tecnologia do qual são feitos: o silício mono e policristalino.

Pode parecer apenas um detalhe quando falamos de uma solução que ajuda a reduzir os custos da conta de luz em até 95%, mas quando se trata de suas casas, seu maior patrimônio, os consumidores costumam ser bem exigentes e certamente irão escolher a opção menos irá destoar do visual sua residência.

Não é a toa que a Telha Solar da Tesla, anunciada no final do ano passado e que começou a ser instalada em casas dos EUA no final de julho, ganhou tanto destaque na mídia, pois ela une o útil ao belo, transformando um telhado visualmente normal em uma usina geradora de energia.

No entanto, esta tecnologia da Tesla, assim como outras já criadas anteriormente por empresas estrangeiras, apenas mascaram as células solares e sua cor original com camadas de filme, vidro ou até mesmo plástico colorido que, embora alcancem o resultado, as vezes reduzem a eficiência das mesmas.

Agora, se depender de um estudo de cientistas do Instituto para Física Atômica e Molecular (Institute for Atomic and Molecular Physics , ou AMOLF), as placas solares do futuro poderão ser, elas mesmas, coloridas e com uma perda mínima de eficiência.

Energia (e Cor) Verde

De acordo com o resultado do estudo, revelado essa semana no site Applied Physics Letters, os pesquisadores conseguiram desenvolver um módulo fotovoltaico de cor verde brilhante ao juntar células solares de heterojunção de silício com conjuntos de nano-dispersores dielétricos de dispersão de luz.

A nomenclatura é complicada e pode assustar, mas o importante a ser destacado é que essa nova tecnologia apresentou pouquíssima perda de eficiência, de apenas 10%, devido a luz verde que é refletida ao invés de ser absorvida.

Além disso, ao contrário de outros painéis coloridos em desenvolvimento, a tecnologia criada pelos cientistas holandeses garantiu uma aparência consistente ao módulo, de modo que sua cor verde é perceptível de diferentes ângulos.

Verena Neder, pesquisadora do Instituto e principal autora do artigo é quem comenta sobre a inovação e seu potencial de aplicação. “Algumas pessoas dizem” por que você faria as células solares serem menos eficientes? “Mas podemos fazer células solares lindas sem perder muita eficiência. O novo método para mudar a cor dos painéis não é apenas fácil de aplicar, mas também atraente como um elemento de design arquitetônico e tem o potencial de ampliar seu uso”.

Agora que tecnologia alcançou esse padrão de eficiência, o time volta seus esforços para a criação de placas de cor vermelha e azul, que completam as cores primárias da luz. Se conseguirem atingir esse objetivo, será fácil então misturar essas nanopartículas para a criação de painéis de todas as cores, até mesmo branca.

Embora esta inovação seja mais voltada para a aplicação da Fotovoltaica Integrada a Construção (Building Integrated PhotoVoltaics em inglês, ou BIPV), nada impede que, daqui uns anos, esta tecnologia esteja disponível para os consumidores, para que possam escolher painéis de cores que se integrem suavemente aos seus telhados.

Fonte – PV Magazine – Site (Em Inglês) 

Recomendamos para Você:

Analista de Marketing
Redator e Tradutor