Capacidade Instalada das Fontes Renováveis Supera a dos Combustíveis Fósseis Pela Primeira Vez no Reino Unido

Capacidade Instalada das Fontes Renováveis Supera a dos Combustíveis Fósseis Pela Primeira Vez no Reino Unido
O que achou?

De acordo com um relatório publicado hoje pela Drax, empresa de energia da Grã-Bretanha, a capacidade combinada de energias renováveis ​​(Solar, eólica, biomassa, hidrelétrica e ‘outros’) no Reino Unido atingiu 42 Gigawatts (GW) no terceiro trimestre de 2018.

A capacidade disponível de combustíveis fósseis, entretanto, caiu para 40,6 GW, com cerca de um terço sendo aposentado nos últimos cinco anos.

O relatório observa que esta é a primeira vez que as fontes de energia renováveis ​​ocupam a maior parte da geração elétrica na Grã-Bretanha.

A fonte eólica é a que mais responde por essa geração limpa, em torno de 20 GW, enquanto a  solar ocupa o segundo lugar, com 13 GW.

O relatório também calcula que, até agora nesta década, o Reino Unido adicionou cerca de 3,8 GW de nova capacidade renovável por ano, dividindo-se da seguinte forma: 1,0 GW de energia eólica onshore, 0,8 GW de energia eólica offshore, 1,4 GW de energia solar e 0,4 GW de biomassa.

A participação da Solar nesse crescimento caiu nos últimos dois anos devido à retirada de incentivos governamentais, embora alguns projetos tenham conseguido encontrar modelos de negócios que funcionem “livres de subsídios”.

Capacidade e Geração

Em termos de geração, o gás natural foi o líder durante os três meses até o final de setembro, responsável por 37,8% do mix de eletricidade do país.

No entanto, isso é 10% a menos que no terceiro trimestre de 2017, e todas as tecnologias renováveis ​​foram capazes de aumentar sua participação no mix de energia elétrica ano a ano. A Solar representou 6,2% do mix energético, produzindo cerca de 4,1 Terawatt-hora (TWh).

O relatório também constata que os preços de energia na Grã-Bretanha atingiram uma alta de dez anos durante os três meses até o final de setembro, com média de 60 libras esterlinas por MWh (megawatt-hora) – um aumento de mais de 50% sobre os 42£ / MWh do terceiro trimestre de 2017.

Enquanto o aumento dos preços do gás natural, os preços mais altos para emissões de CO² e a atual fraqueza da moeda britânica são citados como principais razões por trás disso, a Drax também observa a importância de construir um sistema de energia mais flexível para manter os custos baixos.

De acordo com a Electric Insights, os custos para equilibrar o pico da rede quando a produção de energia renovável é alta é um problema, e houve 58 deles durante o período de três meses do relatório, pois o custo de gerenciamento desse fluxo de eletricidade foi maior do que o custo de para gerá-la.

“O custo do balanceamento do sistema dobrou nos últimos quatro anos. A quantidade de geração flexível no sistema é um fator-chave. Os custos de balanceamento aumentam quando a produção de geradores flexíveis como gás, carvão, biomassa e hidrelétricas cai abaixo de 10 GW ”, explica Iain Staffel, professor de sistemas de energia sustentável do Imperial College London, que produz o relatório de forma independente para a Drax. “Ter um sistema de energia ‘frágil’ com flexibilidade limitada será mais dispendioso para controlar. Uma geração mais flexível, armazenamento e resposta do lado da demanda serão críticos para minimizar os custos do sistema no futuro ”.

Texto original (em inglês) – PV MagazineLink

Recomendamos para Você:

Analista de Marketing
Redator e Tradutor