São Paulo Foi Segundo Estado com Maior Número de Sistemas Solares Instalados em 2019

O que achou?

A procura dos brasileiros pelas placas de energia solar puxou outro ano de grande crescimento para a tecnologia no país em 2019.

Segundo os dados da energia solar da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), que criou e controla o segmento de geração distribuída (GD) no Brasil, já são mais de 79 mil conexões este ano.

O volume é mais que o dobro de todas as instalações realizadas em 2018 e marca mais um ano de crescimento consecutivo para a GD desde a sua criação, em 2012.

Na divisão por estado, as instalações em 2019 seguiram um cenário já consolidado pela tecnologia no país e registraram seu segundo maior volume com a energia solar em São Paulo.   

Até o final de novembro, o estado paulista acumulava 13.017 conexões e uma potência de mais de 120,5 Megawatts (MW).

Mais uma vez, a maioria absoluta das instalações foi realizada em residências, classe de consumidores mais insatisfeita com o preço pago pela energia elétrica no Brasil.

Sistemas comerciais foram o segundo em volume e atendem os mais diversos tipos de estabelecimentos e empresas que se beneficiam da economia obtida com a energia solar.

Um desses sistemas é o do Leonardo Santos, empresário e dono de um posto de gasolina na cidade de Batatais, interior do estado.

Através de um projeto inovador, que utilizou as próprias placas como “telhas” da nova cobertura da sua loja de conveniência, ele conseguiu uma economia de 60% nas contas.

Em terceiro lugar no número de conexões está o setor rural, que cresce impulsionado por algumas das melhores linhas de financiamento em energia solar do mercado.

A maior expansão das placas de energia solar em São Paulo, entretanto, foi registrada nas instalações de sistemas industriais, que saltaram mais de 257% em relação ao volume de 2018.

Com preços em queda e maior facilidade para financiamento, estima-se que o número de sistemas fotovoltaicos continue crescendo em todo o Brasil.

De acordo com a estimativa oficial do Ministério de Minas e Energia (MME), serão 1,35 milhão de consumidores com geração própria de energia até 2027.