Região Sudeste Responde Por Mais de 45% dos Geradores Solares Instalados no Brasil

Região Sudeste Responde Por Mais de 45% dos Geradores Solares Instalados no Brasil
3.8 (75%) 4 vote[s]

Juntos, os quatro estados que compõem a região Sudeste do Brasil; São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo, agrupam 45,9% de todos os sistemas fotovoltaicos do país.

Os dados são da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), que regula o segmento de geração distribuída, no qual consumidores produzem sua energia através de geradores próprios e realizam a troca dela com a energia da rede elétrica.

Atualmente, mais de 90 mil brasileiros já adotaram esse modelo em suas casas e empresas, atraídos pela economia na conta de luz e demais vantagens da autogeração.

Os sistemas de geração solar fotovoltaica dominam o segmento desde a sua criação em 2012 e, hoje, concentram-se em maior número nos estados da região Sudeste.

Minas Gerais vem em primeiro, liderando todo o território Nacional como maior representante da tecnologia, com 18.477 sistemas e mais de 19% de toda a potência nacional instalada.

Em segundo lugar vem São Paulo com seus 15.698 sistemas conectados, respondendo por 12,57% da potência fotovoltaica distribuída no país.

Em menores proporções estão os estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo, com 5.267 e 2.064 sistemas, respectivamente. Juntos, os quatro estados respondem por 38,16% da geração solar distribuída nacional.

Entre as razões para essa liderança, destacam-se os incentivos oferecidos para a geração distribuída nesses estados, especialmente em Minas Gerais, primeiro a isentar a cobrança do ICMS sobre a energia solar produzida.

Juntamente a outros fatores que levam mais brasileiros a investirem nas placas solares, como as linhas de financiamento de energia solar e a queda dos preços da tecnologia, essas legislações favoráveis facilitam a decisão de consumidores cansados das altas contas de luz.

E o crescimento neste ano continua forte na região, que respondeu por 14.431 das 31.993 conexões do primeiro semestre de 2019, ano em que o mercado nacional deverá movimentar cerca R$ 5,2 bilhões, segundo estimativa da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica).