Usina Solar Em Formato De Panda É Inaugurada na China

Usina Solar Em Formato De Panda É Inaugurada na China
4.6 (92%) 5 votes

Desde que Donald Trump assumiu a presidência americana e retirou os EUA do posto de maior investidor em energia solar, coube a China assumir essa liderança verde, papel que está desempenhando de forma impressionante.

O país tem investido bilhões em projetos fotovoltaicos, como a maior usina flutuante do mundo, inaugurada no final de maio, e sua capacidade solar instalada sobe a níveis recordes, tendo chegado a 77,4 GW (gigawatts) ao final de 2016.

Até 2020, a China pretende instalar mais de 110 GW de capacidade solar, para os quais serão necessários investimentos na ordem de US$ 364 bilhões. Com isso, o país espera aumentar a participação de energias limpas em sua matriz energética, dos atuais 11% para 20% até 2030.

Projeto Diferenciado e Educativo

No último dia 29 de junho, o país ganhou mais um desses projetos fotovoltaicos, porém diferente de tudo o que já foi visto no setor no país, ou em qualquer outro, por sinal; uma usina solar em formato de panda, que teve sua primeira fase finalizada e conectada à rede elétrica nacional.

Nomeada como Datong Panda Power Plant, a usina ocupa uma área de 248 acres na cidade de Datong, província de Shanxi, no norte do país. Com início das obras em 20 de novembro de 2016, a sua capacidade total instalada, quando finalizada, será de 100 MW (megawatts), sendo esta primeira fase correspondente a metade, 50 MW.

Construída a um custo aproximado de US$ 54.4 milhões, a usina irá prover 3.2 bilhões de KWh (quilowatt-hora) de energia limpa ao longo dos 25 anos de expectativa da vida útil dos painéis, equivalentes a 2.74 milhões de toneladas de CO2 não lançadas na atmosfera.

O projeto faz parte de um acordo de colaboração assinado em setembro do ano passado, entre o grupo China Merchants New Energy (CMNE) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), para a construção de várias dessas usinas temáticas em forma do animal símbolo da China, as quais visam disseminar o desenvolvimento sustentável entre a população jovem do país.

Além de toda energia limpa gerada através dos milhares de módulos fotovoltaicos, a usina solar Panda de Datong também conta com um espaço educativo para jovens estudantes aprenderem sobre a tecnologia e os benefícios da energia solar.

Pelos próximos cinco anos, o Grupo Panda Green Energy, do qual o China Merchants New Energy é o maior acionista, se comprometeu a construir várias dessas usinas ao longo dos países pertencentes a chamada Rota da Seda, programa de colaboração inaugurado pelo governo do atual presidente Xi Jinping, como parte do programa “Panda 100 Program”, integrando-os através dessa solução energética ecológica.

Recomendamos para Você:

Analista de Marketing
Redator e Tradutor