Brasil avança no uso da Energia Solar em escolas públicas e privadas

Brasil avança no uso da energia Solar em escolas públicas
Brasil avança no uso da Energia Solar em escolas públicas e privadas
5 (100%) 1 vote

Além de projetos já concluídos por iniciativa privada, o governo destinou verba para a utilização da energia solar em escolas públicas que, além da sustentabilidade imediata, serve como importante passo na conscientização das futuras gerações do país.

A energia solar fotovoltaica, forma limpa de geração de energia elétrica, é peça fundamental na luta contra as mudanças climática e esperança de um futuro mais sustentável, porém, para que esse futuro limpo se concretize, é importante educarmos as nossas crianças, as futuras gerações, sobre a sua importância e benefícios.

Portanto, a instalação de sistemas fotovoltaicos em escolas seria o mais ideal como forma de alcançar esse objetivo e ainda gerar economia para estas. Pois é isso o que já vem acontecendo no país, com vários projetos sendo feitos para a utilização da energia solar em escolas públicas e privadas.

Escola em Fortaleza já conta com energia solar

Um exemplo é a recém-inaugurada Escola de Tempo Integral Professor Alexandre Rodrigues de Albuquerque, localizada no bairro Siqueira, em Fortaleza-CE. A escola terá parte da sua energia gerada através do sistema fotovoltaico doado e instalado por uma empresa do estado.

São 10 placas solares que irão gerar estimados 4.500kWh por ano, proporcionando nesse período uma economia de R$2 mil para a escola. A unidade foi inaugurada no último dia 10 de março e irá atender cerca de 500 alunos, dos 6º ao 9º ano.

De acordo com o diretor de engenharia da empresa responsável pelo sistema, Carlos Kleber, o projeto é importante pois dá as crianças o acesso à tecnologia fotovoltaica, que poderão assim conhecer seu funcionamento e benefícios.

“Inclusive, isso faz com que despertem desde cedo o importante sentimento de preservação do meio ambiente através da geração de energia utilizando fontes naturais renováveis”, comenta.

Outro exemplo desse tipo de projeto é o da escola Professor Milton Magalhães Porto, em Uberlândia-MG que, através de um financiamento coletivo, instalou 48 módulos fotovoltaicos em abril de 2015. O resultado foi uma economia de 75% na conta de luz, que caiu de R$1,3 mil para cerca de R$300 ao mês.

Isso permitiu a escola, já no primeiro ano após a instalação, utilizar cerca de R$15 mil economizados em energia para a realização de outras atividades com os alunos, como excursões. 

Governo lança recursos para levar energia solar em escolas públicas

Já o governo, através de recursos de emendas parlamentares incluídas no Orçamento da União deste ano, irá destinar R$2,6 milhões para projetos de energia solar em escolas públicas municipais de alguns estados brasileiros.

O projeto irá atender cerca de 40 escolas, que passarão a contar com sistemas de energia solar a partir do segundo semestre de 2017, com cada instalação devendo ficar entre R$65 mil e R$70 mil. O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) é quem irá administrar os recursos, repassando aos municípios indicados a sua parte da verba. 

As cidades que contarão com esse recurso para projetos de energia solar em escolas públicas são: Belém-PA (R$1,2 milhão), Rio de Janeiro-RJ (R$250 mil) e São Matheus-ES (R$180 mil). Os estados do Piauí e Goiás, que receberam R$ 500 mil cada para tocar esses projetos, ainda definirão que escolas e municípios serão atendidos. 

Atuando fortemente em campanhas para ampliação do uso da energia solar no Brasil, o Greenpeace vem acompanhando de perto o projeto. 

“Nós acreditamos que, em até seis meses, os projetos já estejam definidos e contratados pelos municípios. Uma vez contratado, bastam quatro dias de trabalho para que toda a estrutura dos painéis esteja funcionando”, diz Barbara Rubim, coordenadora da companhia de energias renováveis da ONG, a qual explica ainda que o objetivo é sensibilizar mais parlamentares visando um aumento do orçamento para esses projetos no próximo ano.

A importância da educação

Para o empresário Edson Augusto e sua esposa, proprietários da escola Sol Nascente, a tecnologia fotovoltaica, unida ao processo pedagógico, serve literalmente para educar as crianças e ensiná-las o caminho certo do que será necessário também para que elas mesmas criem um mundo mais sustentável.

Além da energia solar, a escola conta ainda com ações educacionais em projetos de reutilização da água. “Uma escola tem que ser o exemplo vivo daquilo que é de melhor para a sociedade”, diz Edson. Confira um pouco dessa história inspiradora.

WebDocumentário pioneiro apresenta projetos educacionais de energia Solar

Lançado no final do ano passado, o webdocumentário #MovidosPorenergiaSolar é um projeto idealizado e protagonizado por Luis Colaferro, sócio diretor da Blue Sol. Nele, o empresário percorreu cerca de 3.500 Km a bordo de um carro elétrico, o qual era abastecido sempre em locais com sistemas de geração fotovoltaica.

O objetivo desse projeto inédito foi disseminar para uma maior parte da população os conhecimentos, vantagens e benefícios da tecnologia fotovoltaica. Durante o trajeto, a produção também visitou dois locais onde a energia solar vem servindo, além de geradora de economia, também como forma de educação.

O primeiro desses locais visitados foi a COClândia, da unidade do COC de Ribeirão Preto-SP, onde as crianças aprendem brincando sobre a energia fotovoltaica, ao mesmo tempo em que a utilizam para abastecer a “Mini Cidade”. E quem apresenta o projeto, falando sobre os benefícios da energia solar, é o prefeito da COClânida, Mateus Ramiro, de dez anos. Conheça mais sobre o projeto no vídeo abaixo:

O segundo local visitado por Luis Colaferro e sua produção foi a FACENS (Faculdade de Engenharia de Sorocaba), onde um grande projeto foi instalado nas instalações da faculdade, permitindo que seus alunos estudem as variadas tecnologias implantadas no projeto, ao mesmo tempo em que gera 15% da energia consumida no campus. Confira mais sobre esse belo projeto no vídeo abaixo:

Fonte de informação:    G1 – Fonte         Estadão – Fonte

Recomendamos para Você:

Analista de Marketing
Redator e Tradutor